Brasil
Acompanhe:

Pesquisa: em 4 meses, voto dos evangélicos em Bolsonaro foi de 61% para 53%; em Lula de 17% para 28%

Números fazem parte da pesquisa eleitoral EXAME/IDEIA que ouviu 1.500 eleitores de todo o Brasil entre os dias 19 e 24 de agosto

Bolsonaro e Lula: parceria fiel ao candidato à reeleição tem diminuído. (Miguel Schincariol/Evaristo Sá/Getty Images)

Bolsonaro e Lula: parceria fiel ao candidato à reeleição tem diminuído. (Miguel Schincariol/Evaristo Sá/Getty Images)

G
Gilson Garrett Jr

29 de agosto de 2022, 15h17

Parcela do eleitorado historicamente fiel ao presidente Jair Bolsonaro (PL), os evangélicos reduziram o apoio ao candidato à reeleição nos últimos quatro meses. De acordo com a pesquisa eleitoral EXAME/IDEIA, divulgada nesta quinta-feira, 25, as intenções de voto desta parcela do eleitorado no primeiro turno foi de 61%, em abril deste ano, para 53%, em agosto.

Por outro lado, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ganhou mais intenções de voto dos evangélicos, saindo de 17% para 28%, no mesmo período.

Maurício Moura, fundador do IDEIA, explica que essa migração de votos de Bolsonaro para Lula tem muita relação com os evangélicos de classes mais baixas (C, D e E), e mais impactados pela inflação - a alta de preços acumulada nos últimos 12 meses está em 9,6%.

“O novo valor do Auxílio Brasil [de 600 reais], principalmente na classe C do Sudeste, onde Bolsonaro precisa recuperar esses votos de 2018 que perdeu, não surtiu efeito. A questão da queda do valor dos combustíveis foi muito mais para o grupo onde o presidente já tinha boa avaliação e, portanto, boa intenção de voto. Então foi algo meio endógeno”, diz Moura.

(Arte/Exame)

Nas classes D e E (de forma geral, incluindo evangélicos), Lula tem vantagem sobre Bolsonaro em um primeiro turno (54% X 28%). Na classe C, o petista também está na frente, com 54%. O atual presidente e candidato à reeleição vem logo depois, com 27%.

Nos números gerais, a distância entre Lula e Bolsonaro no primeiro turno caiu de 11 para 8 pontos percentuais. Em uma pergunta estimulada, com os nomes apresentados previamente, Lula tem 44% das intenções de voto, mesmo número registrado na pesquisa feita há um mês. Já Bolsonaro saiu de 33% para 36%. O aumento está no limite da margem de erro da pesquisa.

LEIA TAMBÉM: Pesquisa eleitoral: Bolsonaro cresce 8 pontos no Sudeste e ultrapassa Lula na região

Ainda na simulação de primeiro turno, Ciro Gomes (PDT) aparece com 9%, e Simone Tebet (MDB), 4%. Os demais candidatos fizeram 1% ou não pontuam. Brancos e Nulos somam 2%, e aqueles eleitores que dizem que não sabem são 3%.

(Arte/Exame)

Para a pesquisa, foram ouvidas 1.500 pessoas entre os dias 19 e 24 de agosto. As entrevistas foram feitas por telefone, com ligações tanto para fixos residenciais quanto para celulares. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos. A sondagem foi registrada no TSE com o número BR-02405/2022. A EXAME/IDEIA é um projeto que une EXAME e o IDEIA, instituto de pesquisa especializado em opinião pública. Veja o relatório completo.

Maurício Moura, explica que a redução consistente da distância entre Lula e Bolsonaro ocorreu muito por conta de uma maior definição dos candidatos. Com isso, houve uma acomodação dos eleitores que diziam não saber em quem votar - eles somavam 12% no fim do ano passado.

LEIA TAMBÉM: Quais são os números dos candidatos à Presidência nas urnas em 2022

Uma terceira questão foi a desistência de outros nomes mais bem posicionados, como o ex-juiz Sergio Moro (União Brasil), e do ex-governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

“Isso reflete o grau de consolidação de voto e uma grande definição neste momento da eleição. O Bolsonaro tem duas frentes de potencial crescimento: o primeiro é consolidar e acomodar o sentimento antipetista, o segundo é que ele precisa convencer eleitores que votaram nele em 2018. Esses eleitores estão espalhados entre indecisos, Ciro Gomes e também entre os eleitores do Lula”, diz.

Segundo turno entre Lula e Bolsonaro: estável

A simulação de segundo turno entre Lula e Bolsonaro ficou estável, se comparado com a última pesquisa. O petista tem 49%, ante 47% em julho. O atual ocupante do Palácio do Planalto pontuou 40%, e há um mês tinha 37%. Os dois crescimentos estão dentro da margem de erro da pesquisa.

(Arte/Exame)

EXAME/IDEIA ainda testou outros quatro cenários de segundo turno. Lula venceria Tebet (46% X 26%), e Ciro Gomes (43% X 31%). Bolsonaro seria vitorioso em uma disputa contra Ciro Gomes (38% X 34%), e também contra Tebet (40% X 25%).

Veja como foram as últimas pesquisas eleitorais de 2022: