Pazuello responsabiliza secretaria de saúde estadual por crise no Amazonas

Para ex-ministro, a empresa White Martins, fornecedora de oxigênio, também tem parte da culpa, por não ter avisado sobre o uso da reserva estratégica do insumo

Em depoimento à CPI da Covid, nesta quinta-feira, 20, o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello colocou a culpa da crise de desabastecimento de oxigênio em Manaus, no início do ano, na Secretaria de Saúde do Amazonas e na empresa fornecedora, White Martins. Contestado, ele insistiu que o Ministério da Saúde foi “proativo” quando soube do problema. 

“Vejo aí duas responsabilidades muito claras: uma começa na na empresa que consome a sua reserva estratégica e não se posiciona de uma forma clara e a outra da secretaria”, afirmou Pazuello, em resposta a uma pergunta do senador Eduardo Braga (MDB-AM) sobre o assunto.

O parlamentar amazonense discordou e ressaltou que a responsabilidade é do poder público, não da fornecedora. "A empresa tem um contrato para atender um certo volume. Se esse volume é quadruplicado, é o poder público que tem que tomar responsabilidade", disse. Segundo ele, a White Martins pode ir à CPI para "esclarecer fatos contratuais", mas não para assumir culpa.

Pazuello reforçou que a secretaria de saúde do estado deveria ter acompanhado o processo e se antecipado, porque as informações do ministério são fornecidas pelas secretarias. "Quanto a isso, é clara no sistema [a responsabilidade], é da Secretaria de Saúde do Estado do Amazonas. Ponto", afirmou.

O ex-ministro também disse que, quando soube da situação, o Ministério da Saúde agiu de forma "proativa" para resolvê-lo. "Nós passamos a dividir ali, naquele momento, a compreensão do problema, no dia 10 [de janeiro] à noite. No dia 11, começamos a agir, acionando tudo o que tinha que acionar. Eu volto a dizer: da nossa parte, nós fomos muito proativos", afirmou.

Braga discordou. "Vossa excelência chegou com a sua equipe Manaus no dia seguinte, mas não providenciou o avião para ir buscar o oxigênio na Venezuela. Não providenciou para buscar oxigênio líquido em volume e em quantidade necessária. Nem o senhor, nem a secretaria do governo do estado, nem a prefeitura, nem ninguém", disse.

O senador citou uma matéria de um jornal do Amazonas, publicada em 6 de janeiro, que já alertava para a falta de oxigênio. Pazuello afirmou nesta quarta-feira à CPI que só soube do risco de desabastecimento em 10 de janeiro. “Nessa mesma matéria diz que houve acréscimo de internações em UTI em leitos clínicos de covid-19”, apontou Braga.

Intervenção no estado

Pazuello disse que o presidente Jair Bolsonaro participou de reunião na qual o governo decidiu não intervir na saúde pública do Amazonas, mesmo diante das dificuldades decorrentes do desabastecimento de oxigênio. Segundo o general, o governador do estado, Wilson Lima, aliado de Bolsonaro, apresentou argumentos para que não houvesse intervenção.

"Essa decisão não era minha. [O assunto] foi levado à reunião de ministros com o presidente. E o governador, presente, se explicou, apresentou suas observações. E foi decidido pela não intervenção", contou Pazuello. 

 

Acompanhe o depoimento ao vivo

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também