• AALR3 R$ 20,06 1.88
  • AAPL34 R$ 69,90 -4.77
  • ABCB4 R$ 16,61 -1.89
  • ABEV3 R$ 14,22 -3.46
  • AERI3 R$ 3,78 -2.83
  • AESB3 R$ 10,68 -1.20
  • AGRO3 R$ 30,62 -3.22
  • ALPA4 R$ 20,94 -2.56
  • ALSO3 R$ 19,35 -3.83
  • ALUP11 R$ 26,40 0.15
  • AMAR3 R$ 2,35 -3.69
  • AMBP3 R$ 31,19 2.90
  • AMER3 R$ 22,95 -0.30
  • AMZO34 R$ 67,68 -6.44
  • ANIM3 R$ 5,54 -2.98
  • ARZZ3 R$ 81,85 -1.11
  • ASAI3 R$ 15,40 -2.72
  • AZUL4 R$ 21,23 -4.33
  • B3SA3 R$ 11,55 -2.94
  • BBAS3 R$ 35,91 -1.43
  • AALR3 R$ 20,06 1.88
  • AAPL34 R$ 69,90 -4.77
  • ABCB4 R$ 16,61 -1.89
  • ABEV3 R$ 14,22 -3.46
  • AERI3 R$ 3,78 -2.83
  • AESB3 R$ 10,68 -1.20
  • AGRO3 R$ 30,62 -3.22
  • ALPA4 R$ 20,94 -2.56
  • ALSO3 R$ 19,35 -3.83
  • ALUP11 R$ 26,40 0.15
  • AMAR3 R$ 2,35 -3.69
  • AMBP3 R$ 31,19 2.90
  • AMER3 R$ 22,95 -0.30
  • AMZO34 R$ 67,68 -6.44
  • ANIM3 R$ 5,54 -2.98
  • ARZZ3 R$ 81,85 -1.11
  • ASAI3 R$ 15,40 -2.72
  • AZUL4 R$ 21,23 -4.33
  • B3SA3 R$ 11,55 -2.94
  • BBAS3 R$ 35,91 -1.43
Abra sua conta no BTG

Pazuello: Até fevereiro haverá uma "avalanche" de propostas de venda de vacinas ao Brasil

Em um evento com o Conselho do Secretários Municipais de Saúde, Pazuello afirmou que existem cerca de 270 iniciativas de novas vacinas contra covid-19 no mundo
 (Divulgação/Euzivaldo Queiroz/MS)
(Divulgação/Euzivaldo Queiroz/MS)
Por Reuters, Estadão ConteúdoPublicado em 21/01/2021 11:41 | Última atualização em 21/01/2021 13:10Tempo de Leitura: 4 min de leitura

O ministro da saúde, Eduardo Pazuello, afirmou nesta quarta-feira que entre o final deste mês e o início de fevereiro haverá uma "avalanche de laboratórios" apresentando propostas de venda de vacinas contra Covid-19 ao Brasil.

Em um evento com o Conselho do Secretários Municipais de Saúde (Conasems), Pazuello afirmou que existem cerca de 270 iniciativas de novas vacinas no mundo.

"Temos que estar com muita atenção e cuidado para estarmos com elas disponíveis o mais rápido possível dentro da atenção e da segurança e eficácia e da nossa capacidade de colocá-las no lugar certo e na hora certa", disse o ministro.

Pazuello disse ainda que o governo brasileiro está no processo de receber as novas doses da Coronavac que estão já prontas.

Apesar das várias iniciativas, o governo brasileiro não tem acordo com nenhum laboratório além da AstraZeneca, cuja vacina será produzida pela Fundação Oswaldo Cruz, e o acerto para a compra das doses da chinesa CoronaVac entregues ou produzidas pelo Instituto Butantan, ligado ao governo paulista.

O país participa da iniciativa da Organização Mundial de Saúde (OMS) Covax Facilities com a previsão de compra de 42 milhões de doses apenas. O governo mantém negociações com a Pfizer.

SUS

Pazuello exaltou o trabalho do Sistema Único de Saúde (SUS) e pediu confiança no sistema público. Diante da politização que a corrida por vacina contra a covid-19 resultou no cenário brasileiro, o ministro afirmou que o País é um só. "Ele nunca foi dividido, ele nunca será dividido", disse. "Confiem no SUS", afirmou ainda durante participação em evento do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems).

O ministro iniciou seu discurso afirmando que, em nome das mais de 210 mil mortes por covid-19, a luta contra o vírus "não pode parar". Durante o evento, foi lançado o ImunizaSUS, iniciativa do Conasems com apoio do Ministério da Saúde. O objetivo do programa é capacitar mais de 94 mil profissionais de saúde que atuam direta ou indiretamente nas ações de imunização em municípios de todo o País.

Ao reverenciar o SUS e sua universalidade, Pazuello afirmou que o canal Conasems/SUS "permite dar amplitude e capilaridade às nossas ações" - de capacitação do SUS e de agentes de saúde e de pesquisa e comunicação entre todas as Unidades Básicas de Saúde (UBS) do País via net. Pazuello afirmou também que o programa, ao fornecer informações técnico-científicas, "vai poder levar o conhecimento até as casas".

O ministro informou que o investimento inicial do projeto foi de R$ 58 milhões e que haverá mais R$ 140 milhões para "trabalhar junto com a formação técnica". "Estamos dando um passo grande na melhoria do sistema de saúde", avaliou.

O projeto, segundo Pazuello, é "paralelo à vacina e ao combate ao coronavírus". De acordo com o ministro, a pasta está no processo de receber as novas doses dos imunizantes da Oxford/AstraZeneca e do Instituto Butantan.

Ele se mostrou otimista e disse que, a partir do meio de janeiro e começo de fevereiro, é esperada uma "avalanche de laboratórios apresentando propostas" de vacinas ao Brasil. Mas o general não citou datas.