Brasil
Acompanhe:

Paralisação dos caminhoneiros: "há risco de falta de medicamentos nos próximos dias", diz Abrafarma

Manifestantes contestam a vitória do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nas eleições 2022

Farmácias: remédios podem não chegar às prateleiras. (Leandro Fonseca/Exame)

Farmácias: remédios podem não chegar às prateleiras. (Leandro Fonseca/Exame)

G
Gilson Garrett Jr

Publicado em 1 de novembro de 2022, 14h11.

A paralisação dos caminhoneiros entra no segundo dia e já há risco de desabastecimento de remédios nos próximos dias. Em entrevista à EXAME, Sérgio Mena Barreto, CEO da Abrafarma, diz que os carregamentos previstos para segunda-feira, 31, não chegaram ao destino. O presidente da entidade explicou que esses produtos entrariam nas prateleiras no próximo sábado, 5.

De acordo com Mena Barreto, há relatos de cargas atrasadas em Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espírito Santo e São Paulo. Diferentemente do que ocorreu em 2018, os caminhoneiros não abriram exceção para a passagem de veículos com medicamentos. "A situação das estradas e por consequência das entregas está muito ruim e a perspectiva pra amanhã não é de melhora segundo os associados", diz.

Paralisação dos caminhoneiros: acompanhe ao vivo

A entidade representa as maiores redes de farmácias do país. Em números de lojas, são 10% do mercado - com 8.900 lojas - mas em faturamento, corresponde a quase metade das vendas, com 64 bilhões de reais em faturamento anual.

LEIA TAMBÉM: Rodoviária do Rio tem viagens suspensas devido a bloqueios em rodovias; SP é o trecho mais afetado

São ao menos 288 interdições ou manifestações em todo o Brasil até o começo da tarde desta terça-feira, 1º de novembro, segundo a Polícia Rodoviária Federal, algumas com bloqueio parcial ou total de vias. Mais de 200 pontos em que havia paralisações também foram liberados.

Desde a segunda-feira, o setor produtivo brasileiro monitora com atenção a paralisação dos caminheiros. Até o momento, os reflexos são pontuais, mas se os bloqueios continuarem, há risco de desabastecimento mais generalizado.

Em vídeos que circulam nas redes sociais, manifestantes contestam a vitória do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Lula venceu o atual presidente, Jair Bolsonaro (PL), com 50,9% dos votos e voltará ao cargo em janeiro para um terceiro mandato.

A Confederação Nacional dos Transportes (CNT) emitiu um comunicado no fim da tarde em que se posicionou contrariamente à paralisação. "Além de transtornos econômicos, paralisações geram dificuldades para locomoção de pessoas, inclusive enfermas, além de dificultar o acesso do transporte de produtos de primeira necessidade da população, como alimentos, medicamentos e combustíveis", diz a entidade.

LEIA TAMBÉM