Pacheco e Lira se comprometem com reformas tributária e administrativa

Os presidentes da Câmara e do Senado devem se encontrar nesta quarta-feira com os relatores das propostas relacionadas à cobrança de impostos

Os recém-eleitos presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), se comprometeram, nesta quarta-feira, 3, a avançar na tramitação das reformas tributária e administrativa. Os dois parlamentares também listaram como prioridade a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) Emergencial, que cria gatilhos em casos de ameaça de descumprimento do teto de gastos. Eles não mencionaram, no entanto, compromisso com privatizações.

A reforma tributária tramita atualmente em uma comissão mista de deputados e senadores, com dois textos principais: o da PEC 110, relatado pelo senador Roberto Rocha (PSDB-MA), e o da PEC 45, cujo relator é o deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB). Pacheco e Lira vão se encontrar na noite desta quarta com os dois parlamentares para discutir o tema. “Buscaremos estipular um prazo para a apresentação do relatório”, disse o presidente do Senado.

A reforma administrativa foi apontada como prioridade de Lira. Durante a campanha para a presidência da Câmara, ele afirmou que o objetivo era pautá-la ainda no primeiro trimestre. O texto, enviado em setembro do ano passado, propõe mudanças para novos servidores públicos, como o fim da estabilidade para a maioria das carreiras e revisão de benefícios.

 

Além das reformas, os dois presidentes se comprometeram com a PEC Emergencial, importante para criar mecanismos de ajuste fiscal. Eles pretendem conversar com o relator, senador Márcio Bittar (MDB-AC), para chegar a um prazo para apresentação do relatório. Durante a campanha, Lira afirmou que a matéria seria importante para “abrir condições orçamentárias” para qualquer medida que substituísse o auxílio emergencial.

Em relação ao fim do benefício, que deixará milhões de brasileiros desassistidos, Lira e Pacheco garantiram, em documento assinado nesta quarta-feira, que se dedicarão à "análise das possibilidades fiscais para, respeitando o teto de gastos, avaliar alternativas de oferecer a segurança financeira através de auxílio emergencial para aqueles brasileiros e brasileiras que estejam enfrentando a miséria em razão da falta de oportunidade causada pela paralisia econômica provocada pela pandemia".

Lira e Pacheco chegaram a um entendimento de que é preciso avançar também com a PEC dos Fundos, que realoca recursos para pagamento da dívida pública, e com a PEC do Pacto Federativo, que busca descentralizar o Orçamento. O ministro da Economia, Paulo Guedes, apresentou as duas em novembro de 2019, mas, até agora, nenhuma foi para a frente. 

No documento, Senado e Câmara se comprometeram “a discutir pautas de reativação da atividade econômica” e se disseram “abertos para o diálogo com o Poder Executivo, com a equipe econômica e com todos aqueles que queiram contribuir para que o Brasil retome, o mais rapidamente possível, um padrão mínimo de sua produção e geração de riquezas”.

Vacinação

Lira e Pacheco também asseguram que vão “construir os processos legais para tornar mais ágil esse processo de licenciamento de vacinas”. Eles também pretendem assegurar a disponibilidade dos recursos necessários para a compra das vacinas, para que “não faltem meios para que toda a população possa ser vacinada no prazo mais rápido possível”. 

"As duas Casas conversarão com especialistas para avaliar o modo de tornar o Brasil mais apto a ter acesso à maior quantidade de vacinas, boas vacinas, que já tenham sido atestadas internacionalmente e torná-las disponíveis para todos os brasileiros", diz o documento.

 

 

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

 

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.