Brasil

O que se sabe sobre o assassinato de médicos no Rio

A principal hipótese da polícia para a motivação do crime é que um dos profissionais pode ter sido confundido com um miliciano

O médico Perseu Ribeiro Almeida pode ter sido confundido com o miliciano Taillon de Alcântara Pereira Barbosa, filho de Dalmir Pereira Barbosa (oGlobo/Reprodução)

O médico Perseu Ribeiro Almeida pode ter sido confundido com o miliciano Taillon de Alcântara Pereira Barbosa, filho de Dalmir Pereira Barbosa (oGlobo/Reprodução)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 6 de outubro de 2023 às 06h40.

As polícias do Rio e de São Paulo, além da Polícia Federal, investigam o assassinato de três médicos em um quiosque na Barra da Tijuca, no Rio, na madrugada desta quinta-feira, 5. A principal hipótese da polícia para a motivação do crime é que um dos profissionais pode ter sido confundido com um miliciano. A tese foi compartilhada por investigadores do Rio com agentes de São Paulo que prestam apoio ao inquérito.

Fique por dentro das últimas notícias no WhatsApp da Exame

Como ocorreu o assassinato dos médicos?

Segundo a Secretaria de Estado de Polícia Militar do Rio de Janeiro, policiais militares do 31° BPM (Recreio dos Bandeirantes) foram acionados para uma ocorrência de homicídio na Avenida Lúcio Costa, na Barra da Tijuca. De acordo com o comando da unidade, no local os agentes encontraram quatro vítimas de disparos de arma de fogo sendo socorridas por militares do Corpo de Bombeiros. Três delas não resistiram aos ferimentos e morreram no local.

Informações preliminares apontam que todos estavam em um quiosque da região quando foram vítimas de disparos de arma de fogo efetuados por ocupantes de um automóvel.

De acordo com imagens de câmeras de segurança do quiosque fornecidas pela Polícia Civil do Rio, é possível ver os três homens aparentemente encapuzados descendo de um veículo e indo em direção aos médicos para efetuar os disparos. Alguns dos criminosos atiram várias vezes nas vítimas.

Os médicos estavam hospedados no Hotel Windsor, que fica localizado na Avenida Lúcio Costa, na Barra da Tijuca, para acompanhar o 6º Congresso Internacional de Cirurgia Minimamente Invasiva do Pé e Tornozelo. O médico Daniel Sonnewend Proença, que sobreviveu ao ataque criminoso e encontra-se hospitalizado.

Quem são os médicos mortos?

Marcos de Andrade Corsato (médico assistente do IOT- HCFMUSP desde 1992)

Diego Ralf Bomfim (médico residente no HCFMUSP entre 2020 e 2021)

Perseu Ribeiro Almeida (médico residente no HCFMUSP entre 2021 e 2022)

Marcos de Andrade Corsato possuía mestrado em Ortopedia e Traumatologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (1997). Atualmente, era membro titular da Federación Latinoamericana de Medicina y Cirugia de la Pierna y Pie, membro da National Geographic Society, membro titular da Associação Brasileira de Medicina e Cirurgia do Tornozelo e Pé e médico assistente do IOT/ HCFMUSP. Tinha experiência na área de Medicina, com ênfase em Cirurgia Ortopédica.

Perseu Ribeiro Almeida possuía graduação em Medicina pelo Instituto Mantenedor de Ensino Superior da Bahia (2017). Residência médica em Ortopedia e Traumatologia pelo COT/Martagão - CEOT. Membro titular da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia. Especialista em Cirurgia do Pé e Tornozelo pelo IOT-HCFMUSP, onde já foi residente. Tinha experiência na área de Medicina, com ênfase em Ortopedia e Traumatologia.

Diego Ralf de Souza Bomfim era graduado em Medicina pela Faculdade de Medicina Dr. Domingos Leonardo Cerávolo, da Universidade do Oeste Paulista. Especialista em Ortopedia e Traumatologia pelo Hospital Santa Rita - Associação Beneficente Bom Samaritano - em Maringá/PR, com aprovação no título de especialista em Ortopedia e Traumatologia, aplicado pela Sociedade Brasileira de Ortopedia. Especialista em Cirurgia do Pé e Tornozelo na Associação Beneficente Nossa Senhora do Pari - São Paulo/SP, com aprovação na prova de título da Associação Brasileira de Medicina e Cirurgia do Tornozelo e Pé (ABTPé) de 2021.

Qual é a principal linha de investigação?

A principal hipótese da polícia para a motivação do assassinato de três médicos em um quiosque na Barra da Tijuca, no Rio, é que um dos profissionais pode ter sido confundido com um miliciano. O médico Perseu Ribeiro Almeida pode ter sido confundido com o miliciano Taillon de Alcântara Pereira Barbosa, filho de Dalmir Pereira Barbosa. Segundo o portal G1, Dalmir é apontado por autoridades policiais como um dos chefes de uma milícia que atua na zona oeste da cidade do Rio. Perseu e Taillon possuem fisionomia similar.

Quem está investigando o caso?

Por determinação do secretário da Segurança Pública de São Paulo Guilherme Derrite, e do delegado-geral da Polícia Civil, Dr Artur Dian, a Polícia Civil de São Paulo enviou, já na manhã desta quinta-feira, 5, duas equipes para auxiliar nas investigações dos assassinatos no Rio.

Foram designados cerca de 10 integrantes da Polícia Civil. Entre eles, estão dois delegados, além de investigadores e peritos dos departamentos de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e de Inteligência da Polícia (Dipol). Outros policiais civis, além disso, devem auxiliar na realização de diligências ao longo dos próximos dias na capital paulista. A ideia é levantar informações sobre a vida pregressa das vítimas.

Em nota, o governador do Rio, Cláudio Castro, disse ter determinado à Polícia Civil que "empregue todos os recursos necessários para chegar à autoria do crime bárbaro que tirou a vida de três médicos e feriu outro na Barra da Tijuca". "Minha solidariedade aos familiares das vítimas. Esse crime não ficará impune!"

No início tarde, representantes das forças de segurança do Rio, do Ministério Público do Estado e da Polícia Federal fizeram um pronunciamento em que afirmaram estar despendendo "todos os esforços" para elucidar o crime, que definiram como bárbaro.

Qual foi a reação política ao caso?

Diego é irmão da deputada federal Sâmia Bomfim (PSOL-SP), companheira do deputado Glauber Braga (PSOL-RJ). O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou, por meio das redes sociais, que recebeu com grande tristeza e indignação a notícia da execução dos médicos na orla da Barra da Tijuca. Ele citou que a Polícia Federal está acompanhando o caso.

O ministro da Justiça, Flávio Dino, classificou o assassinato dos três médicos como "execução". Dino citou ainda uma "hipótese" de relação do caso com a atuação de dois parlamentares federais, motivo pelo qual acionou a Polícia Federal para acompanhar as investigações. "Após providências iniciais, analisaremos juridicamente o caso". As imagens de câmeras de segurança mostram o ataque com características de execução, já que nenhum assalto foi anunciado.

Acompanhe tudo sobre:AssassinatosMédicosRio de Janeiro

Mais de Brasil

Pré-candidatos tentam evitar 'palavras-mágicas' para não serem punidos por campanha antecipada

Após prestigiar Boulos, Lula só deve participar de mais uma convenção de candidatos; saiba qual

No Brasil para o G20, secretária do Tesouro dos EUA discutirá economia e geopolítica

Lula recebe Tony Blair, ex-primeiro-ministro britânico, nesta segunda-feira, no Palácio do Planalto

Mais na Exame