O que Dilma, Alckmin, Doria e Bolsonaro disseram sobre a prisão de Lula

Veja o que as principais personalidades da política brasileira disseram nas redes sociais sobre a prisão do ex-presidente

São Paulo — Com Lula preso, as redes sociais foram inundadas de publicações a favor e contra a determinação da Justiça, cumprida na noite de ontem, com mais de um dia de atraso. Veja a seguir o que disseram as principais personalidades políticas sobre o caso.

Pré-candidato à presidência da República, Geraldo Alckmin usou o Facebook para se posicionar quanto à prisão de Lula. “Discursos populistas e mentirosos nos levaram à pior crise da história. Não adianta tapar o sol com a peneira. A casa foi desarrumada, temos agora que trabalhar muito para colocar o país nos trilhos e voltar a crescer”, escreveu o agora ex-governador de São Paulo.

João Doria, eleito prefeito de São Paulo ainda no primeiro turno em 2016, disse que nem Lula, nem ninguém está acima da Justiça. “O Brasil dos brasileiros que tem consentimento, aqueles que querem justiça, estão assistindo pela televisão, acompanhando pela internet e pelas emissoras de rádio, Lula a caminho da prisão em Curitiba. A justiça será cumprida. Não há ninguém nesse país acima da lei e da ordem, nem Lula, nem ninguém. Aliás, a prisão de Lula serve de exemplo pros maus políticos, aqueles que roubaram, para aqueles que usurparam, que enganaram, independente de partido. A lei é para todos, para ricos e para pobres, políticos e não políticos. Lula na cadeia, vitória da justiça brasileira, vitória do Brasil do bem”, escreveu Doria.

Fernando Haddad, ex-prefeito de São Paulo e ex-ministro da Educação de Lula, compartilhou um vídeo intitulado “Jamais aprisionarão nossos sonhos”, precedido por um vídeo da página de Lula, que mostrava a madrugada  do dia da prisão do ex-presidente.

Bruno Covas, prefeito de São Paulo após a saída de João Doria, usou suas redes sociais apenas para falar de sua nova posição como prefeito.

Dilma Rousseff, ex-presidente e pupila de Lula, se pronunciou sobre a prisão do mentor. “Lula tornou-se um preso político, vítima de uma perseguição implacável de adversários, que lançam mão do lawfare para calá-lo e destruí-lo, no esforço de desqualificar seu papel perante a história e o povo brasileiro. A mídia brasileira golpista tenta, de forma vergonhosa, negar-lhe a condição de preso político. Assim como negou a ocorrência do Golpe de 2016 e finge não enxergar a ascensão do fascismo no País e a violência da extrema direita”, escreveu Rousseff.

Eduardo Suplicy publicou a foto de Lula cercado por apoiadores, em São Bernardo do Campo, pouco antes de se entregar à Polícia Federal e ser levado à prisão. Suplicy diz que “aprisionaram Lula, mas suas ideias seguirão florescendo”. “Elas estão e continuarão com cada uma e cada um de nós”, escreveu.

Lula carregado pelo povo. Povo que reconhece e jamais esquecerá o maior presidente da história deste país. Aprisionaram…

Posted by Eduardo Suplicy on Saturday, April 7, 2018

Marina Silva buscou colocar a prisão de Lula sob uma perspectiva geopolítica. “A prisão de um ex-presidente é um acontecimento triste em qualquer país. No entanto, numa democracia, as decisões da Justiça devem ser respeitadas por todos e aplicadas igualmente para todos. Os que ainda não foram alcançados pela Justiça é porque estão escondidos sob o manto da impunidade do foro privilegiado”, escreveu Silva, no Facebook.

Jair Bolsonaro publicou uma mensagem dizendo comemorar a prisão de Lula por causa do que vê como uma conquista do Judiciário. “Eu comemoro o resultado, não pela derrota do Lula, mas a vitória da justiça. Afinal de contas esse cidadão cansou de errar e colocar o Brasil nessa situação que nos encontramos no momento, no tocante à economia, desgaste de valores familiares, política externa voltada a viés ideológicos, violência crescente, desemprego assustador, desmandos dele foi dado uma resposta no dia de ontem”

Ciro Gomes publicou uma mensagem em seu perfil no Twitter, ainda antes da prisão de Lula, dizendo que o que acontecia com o ex-presidente era triste e que esperava sua libertação.

Janaína Paschoal, professora de Direito, usou suas redes sociais para pacificar o discurso de “gregos e troianos” na internet.

Luciano Huck, que quase entrou na disputa presidencial deste ano, não se pronunciou publicamente sobre o caso de Lula. Marcela Temer, esposa do presidente Michel Temer, também manteve o silêncio, assim como Temer.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.