A seca do Cantareira em imagens aéreas dramáticas

Faz sete meses que o nível de água do maior sistema de abastecimento de São Paulo não aumenta

São Paulo - Dizem que uma imagem vale por mil palavras. O que dizem, então, os registros feitos pelas lentes dos fotógrafos da Reuters que sobrevoaram, nesta quarta (19), as represas do combalido sistema Cantareira? Margens ressecadas, o surgimento extensivo de terra onde antes havia água, o esqueleto à mostra da estação na represa Atibainha, outrora submerso...São retratos marcantes do colapso hídrico que se aproxima. 

Faz pelo menos sete meses que o nível de água do maior sistema de abastecimento de São Paulo não aumenta. Desde sábado, a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) bombeia água da segunda cota do volume morto, cujo nível chegou a 10% nesta quarta. Seu esgotamento é questão de semanas. Apesar da ameaça iminente, há uma dificuldade notória do governo paulista em falar de cortes oficiais na oferta de água e em redução compulsória do consumo. Por que o racionamento assusta tanto? E por que SP não declarou estado de emergência ainda? Entenda aqui.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também