Brasil

Número de mortes por gripe no Rio já é maior do que em 2023; 15 pessoas estão internadas

Segundo dados da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), a campanha de vacinação ainda não alcançou nem a metade da meta de 90% da população vacinada

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 25 de junho de 2024 às 18h26.

Última atualização em 25 de junho de 2024 às 18h45.

Tudo sobreSaúde
Saiba mais

O número de mortes por gripe na cidade do Rio de Janeiro já é maior em 2024 do que em todo o ano passado. Apenas neste ano já são 44 óbitos por gripe, ante 41 em todo o ano anterior.

A prefeitura do Rio divulgou que, até o momento, são 415 pessoas internadas com síndromes respiratórias agudas graves, uma das formas de complicações da influenza — destas, mais de 100 são crianças. Segundo dados da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), a campanha de vacinação ainda não alcançou nem a metade da meta de 90% da população vacinada.

Para se prevenir, pessoas com 6 meses ou mais devem se vacinar contra gripe (influenza), calendário nacional vigente no Rio de Janeiro desde maio, com a liberação do Ministério da Saúde. A Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro (SES-RJ) destaca que, até o momento, a cobertura vacinal no estado é de 37,49%, muito abaixo da meta esperada.

No estado do Rio de Janeiro, mais de 2,8 milhões de doses já foram aplicadas até o momento. Nenhum dos grupos prioritários alcançou nem a metade da meta, respectivamente: idosos (36,6%), crianças (33,1%), gestantes (8,6%) e puérperas (8,1%).

Segundo a prefeitura do Rio, 1,7 milhão de vacinas (39,5%) foram aplicadas na capital fluminense. As metas vacinais da cidade também ainda não foram batidas: idosos (48,7%), crianças (49,6%), gestantes (31,9%) e puérperas (20,1%).

A vacina contra a gripe é importante para evitar o agravamento de casos de síndromes respiratórias agudas graves. Em períodos mais frios, tende a aumentar o número de casos. Técnicos da Subsecretaria de Vigilância e Atenção Primária à Saúde (Subvaps) da SES-RJ, respondem às perguntas frequentes sobre o tema.

Qual é o público-alvo da vacinação contra a gripe?

Desde 30 de abril, o Ministério da Saúde ampliou a oferta de vacina contra a influenza para toda a população não vacinada a partir de 6 meses de idade.

Quais são os vírus causadores da gripe e como a vacina atua na proteção do sistema imunológico?

A gripe é uma infecção respiratória aguda causada pelo vírus da influenza, existem os tipos A, B, C e D, que podem variar de quadros leves a graves e até levar a óbito.

A vacina contra Influenza é considerada trivalente, contendo três tipos de cepas: tipo A (H1N1), tipo A (H3N2) e tipo B (linhagem B/Victoria).

Há alguma contraindicação da vacina? Quem não pode receber o imunizante?

A vacina não é recomendada para crianças menores de 6 meses de idade. Não deve ser administrada em indivíduos com história de reação alérgica grave às proteínas do ovo (ovo ou produtos derivados do ovo), às proteínas da galinha e a qualquer componente da vacina.

Quem tomou a vacina em anos anteriores deve ser imunizado novamente?

Sim. Isso porque constantemente o vírus se modifica, sendo necessária a reformulação da vacina e consequente vacinação anual contra a gripe.

Em até quanto tempo a vacina faz efeito?

A detecção de anticorpos protetores se dá entre duas e três semanas após a vacinação e apresenta, geralmente, duração de 6 a 12 meses.

A vacina da gripe causa gripe? Quais são as reações mais comuns à vacina?

Não. As reações mais frequentes, ocorrem em 15% a 20%, são dor no local da injeção, vermelhidão e endurecimento local. Essas reações são benignas e melhoram sem tratamento em até 48 horas.

Por que é importante se vacinar?

Porque a vacina ajuda a reduzir as complicações, as internações e a mortalidade decorrentes das infecções pelo vírus influenza, principalmente nos grupos prioritários.

É permitido se vacinar contra a gripe e a covid-19 no mesmo dia?

Sim. A pessoa pode receber os dois imunizantes no mesmo dia.

Acompanhe tudo sobre:GripesSaúdeRio de Janeiro

Mais de Brasil

Após receber novas doses, SP vai retomar a vacinação contra dengue neste sábado

Boulos quer câmeras corporais em agentes da Guarda Civil Metropolitana de São Paulo

Conselho proíbe internação de crianças e adolescentes em comunidades terapêuticas

Casas de apostas terão que comunicar operações suspeitas ao Coaf e classificar risco de apostadores

Mais na Exame