Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:

“Não vamos desenterrar mortos”, diz Wizard sobre recontagem de vítimas

Futuro secretário do Ministério da Saúde diz que pasta achou sinais de fraudes em alguns Estados e municípios, mas evitou dizer quais ou quantos seriam

Modo escuro

Carlos Wizard, futuro secretário do Ministério da Saúde (Miguel Schincariol/AFP)

Carlos Wizard, futuro secretário do Ministério da Saúde (Miguel Schincariol/AFP)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 6 de junho de 2020, 16h23.

Última atualização em 10 de junho de 2020, 12h36.

O futuro secretário da Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, Carlos Wizard, disse que o governo de Jair Bolsonaro não pretende "desenterrar mortos”, como forma de averiguar se os mais de 35.000 óbitos registrados oficialmente pelo próprio governo, em relação à covid-19, foram de fato resultado de mortes pela doença.

"Não pretendemos desenterrar mortos, não tratamos disso. O que pretendemos é rever os critérios dessas mortes”, disse Wizard, que espera que sua nomeação como secretário no Ministério da Saúde seja publicada na próxima segunda-feira, 08.

A possibilidade de recontagem provocou reação de entidades. O presidente do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) Alberto Beltrame afirmou que há uma tentativa "autoritária, insensível, desumana e anti-ética” de dar invisibilidade aos mortos pelo coronavírus.

Carlos Wizard disse que a pasta da Saúde conta com uma "equipe de inteligência” militar que identificou sinais de fraudes em dados prestados por alguns Estados e municípios, mas evitou dizer quais seriam esses locais, ou mesmo quantos.

"Temos uma equipe de inteligência no ministério. Essa equipe encontrou indícios de que alguns municípios e estados estão inflacionando os dados para receber benefícios federais, isso é lamentável”, declarou.

Amigo próximo do ministro interino da Saúde, o general Eduardo Pazuello, que conheceu durante a Operação Acolhida, em Roraima, Wizard disse que o governo deverá levar o assunto "à esfera competente” contra as supostas irregularidades, sem detalhar exatamente o que deve ser feito.

"Temos uma equipe de militares trabalhando nisso, sob o comando do general Pazuello. Estamos levantando os dados e fatos. Levaremos à esfera competente.”

Apesar de ter admitido, em entrevista ao jornal O Globo, que o número de mortos oficialmente divulgado pelo governo deveria cair com a recontagem, Wizard afirmou que o governo não vai alterar o que já foi feito até agora.

Até esta sexta, 05, foram registrados 35.026 mortes pelo coronavírus e outros 645.771 casos de contaminação. "Não estamos preocupados com o passado, mas com o futuro. O passado já foi, o número não vai cair”, disse.

Na avaliação do futuro secretário, o governo "tem enfrentado quatro guerras, a da covid, a da economia, da informação e a da política. Wizard também defendeu o uso massificado da cloroquina no País e disse que publicações que criticaram a substância estão sendo reavaliadas.

"Acusaram o governo federal de forma irresponsável sobre o uso da cloroquina. Publicaram uma inverdade. Cloroquina não é cocaína, que você vai morrer amanhã” comentou.

Últimas Notícias

ver mais
Ministério Público de São Paulo indica Roberto Livianu para vaga do CNJ
Brasil

Ministério Público de São Paulo indica Roberto Livianu para vaga do CNJ

Há 6 horas
PF descobre plano golpista em celular de Mauro Cid
Brasil

PF descobre plano golpista em celular de Mauro Cid

Há 7 horas
Ministro Dias Toffoli determina posse de suplente de Deltan Dallagnol na Câmara
Brasil

Ministro Dias Toffoli determina posse de suplente de Deltan Dallagnol na Câmara

Há 8 horas
Marco temporal: Mendonça pede mais tempo para avaliar e julgamento é interrompido
Brasil

Marco temporal: Mendonça pede mais tempo para avaliar e julgamento é interrompido

Há 10 horas
icon

Branded contents

ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

leia mais