Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Mourão busca solução pacífica para Maduro ir embora da Venezuela

Vice-presidente disse que o Brasil não cogita "em hipótese alguma" permitir que EUA usem território para intervenção no país em crise

São Paulo - O vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão, defendeu nesta segunda-feira, 25,uma solução pacífica para a crise na Venezuela e afirmou que é preciso "buscar caminhos" para o presidente Nicolás Maduro "ir embora" do país, juntamente com membros mais próximos de seu governo, e com isso ter início uma transição rumo à democracia. As afirmações foram feitas em entrevista para a Globonews em Bogotá, na Colômbia, onde foi participar da reunião do Grupo de Lima para discutir a situação venezuelana.

Mourão foi questionando na entrevista se o Brasil abriria seu território para tropas americanas entrarem na Venezuela, caso ocorra um conflito armado. O vice-presidente rechaçou a possibilidade, destacando que precisa de aprovação do Congresso e que a maior parte do governo é contra tal medida. "O Brasil não considera isso em hipótese alguma."

"O Brasil vai buscar de todas as formas que não haja conflito", disse Mourão, destacando que o Planalto buscará trabalhar em cima de pressão diplomática e política, como o não reconhecimento do regime de Maduro e o reconhecimento de Juan Guaidó como presidente interino.

"Seria ruim trazer clima da guerra fria para dentro do continente", disse Mourão ao ser questionado sobre "atores estranhos" novos na região, como a Rússia. "São os outros países, as grandes potências, que têm interesse na Venezuela", disse ele.

Mourão afirmou em sua conta no Twitter que o Brasil tem um importante papel a desempenhar para que a paz e a segurança dos países do continente americano sejam mantidas.

"Considerada nossa estatura político-estratégica na região, a tarefa não é somente liderar uma iniciativa de preservação da paz e da segurança nas Américas, mas oferecer o valioso exemplo de uma ação conjunta, equilibrada, prudente e consistente para superar a crise na Venezuela", escreveu Mourão.

Mais cedo, também pelo Twitter, o vice-presidente havia dito que trabalhará para uma solução pacífica da crise venezuelana, mantendo a "linha de não intervenção". Mourão afirmou que o País agirá em conjunto com outras nações para pressionar a Venezuela pelas vias diplomática e econômica. "Sem aventuras", destacou.

Ainda na entrevista, Mourão foi questionado sobre um paralelo em relação ao diálogo entre Donald Trump e o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-um, que se encontram esta semana, e a Venezuela. "O diálogo EUA e Coreia do Norte está muito centrado na questão nuclear, uma vez que a Coreia é uma potência nuclear", disse ele, ressaltando que tem dúvidas se Maduro teria interesse em falar com Trump e vice-versa.

Sobre o autoproclamado presidente da Venezuela, Juan Guaidó, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, também presente na entrevista, afirmou que é um "grande líder" e está mobilizando o povo venezuelano para uma "transição democrática". "Antes não existia essa alternativa a Maduro", afirmou o chanceler brasileiro.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também