Mourão atribui demissão de presidente da Petrobras "talvez, à falta de comunicação"

O vice-presidente da República disse não ver na demissão uma "forma de intervir nos preços, até pela própria legislação que rege a companhia"

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, atribuiu nesta segunda-feira, 22, a demissão de Roberto Castello Branco da presidência da Petrobras "talvez, à falta de comunicação" com o presidente da República, Jair Bolsonaro. Castello Branco deixa o posto após reiteradas críticas de Bolsonaro à política de preços da empresa, que realizou novo reajuste nos combustíveis na última quinta-feira, 18. O vice-presidente da República disse não ver na demissão uma "forma de intervir nos preços, até pela própria legislação que rege a companhia".

Segundo Mourão, não houve interferência na estatal uma vez que a troca na presidência da petroleira estatal está "dentro das atribuições do presidente". "O mandato do Roberto terminava em 20 de março e poderia ser renovado ou não. A decisão é não renovar", argumentou Mourão.

Durante encontro com jornalistas no período da manhã, o vice-presidente comentou o aumento no preço do petróleo, que atribuiu, entre outros fatores, "ao inverno mais frio do Hemisfério Norte". "A turma lá queima petróleo pra poder se aquecer", afirmou o vice-presidente.

Para conter as variações, Mourão sugeriu a criação de um fundo soberano com base nos royalties do petróleo para ser utilizado a fim de amortecer aumentos. Atualmente, os recursos são repartidos entre Estados e municípios.

Mal-estar

O mercado reagiu mal na sexta-feira, após a demissão de Castello Branco ter sido anunciada. Em Nova York, os American Depositary Receipts (ADR), recibos de ações negociadas da Petrobras, têm queda de 16,22% antes da abertura do mercado nos Estados Unidos nesta segunda-feira.

Para o vice-presidente, o movimento é especulativo. "O mercado é rebanho eletrônico. Nego sai correndo para um lado, daqui a pouco eles voltam correndo de novo. Não vejo que vá prejudicar demais isso daí", afirmou Mourão. "Daqui a pouco volta tudo, principalmente porque o novo indicado Silva e Luna é um camarada extremamente preparado. Basta acompanharem o trabalho que ele fez em Itaipu", completou.

Na sexta-feira, Bolsonaro anunciou pelo Facebook que indicaria o general e ex-ministro da Defesa Joaquim Silva e Luna, atualmente diretor-geral brasileiro de Itaipu Binacional, para assumir a presidência da petroleira. Mourão relembrou a relação entre oficiais das Forças Armadas e o comando da estatal e disse que "a simbiose" entre ambos não vai prejudicar a Petrobras, "pelo contrário".

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.