A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

Moreira Franco credita à Dilma a "desorganização econômica"

Segundo ele, a situação atual é "extremamente grave e disseminada por toda a economia"

Rio - Em discurso de forte teor político a empresários cariocas, o secretário executivo do Programa de Parceria e Investimentos (PPI), Moreira Franco, creditou à gestão da presidente afastada, Dilma Rousseff, a "desorganização econômica" do País.

Segundo ele, a situação atual é "extremamente grave e disseminada por toda a economia". Franco indicou que a prioridade do governo interino é retomar a confiança e parcerias com empresários para gerar empregos.

"A situação econômica a que nos levaram é extremamente grave. A gravidade não está localizada no setor A ou B, mas disseminada no conjunto da economia brasileira. Esse conjunto perdeu sua autoestima, a confiança no próprio País", afirmou Franco em evento da Associação Comercial do Rio.

"A única maneira de termos uma solução adequada para esse problema é crescer. Para crescer, precisa de investidor. Para ele vir, precisa ter confiança."

Ex-ministro de Dilma, Moreira Franco afirmou que a presidente afastada conduzia o País de forma "centralizada e ideológica", afetando a viabilidade de negócios.

Segundo ele, a falta de credibilidade no País atingiu sua "exacerbação no final do governo Dilma", indicando acreditar na confirmação do impeachment no Senado.

"Os ministros perderam autoridade política. A tomada de decisões era absolutamente solitária, sem que houvesse contraditório, lastro técnico, circulação das informações e das razões pelas quais as decisões eram tomadas", afirmou.

"A desacreditação era tanta que se achava que as coisas aqui eram feitas de arranjos e não do cumprimento de normas", completou.

Responsável pelo programa de concessões de aeroportos no primeiro mandato de Dilma, Moreira Franco ainda afirmou que a "metodologia de ação nas concessões foi altamente destrutiva para a ordem econômica". Segundo ele, as decisões tentavam "substituir a aritmética pela ideologia".

"Temos um quadro de concessões quase todas em grande dificuldade. Sem recursos, empresas como Infraero e Valec estão quebradas", afirmou o ex-ministro. Principal nome do programa de concessões do governo interino, Moreira Franco indicou que a determinação é "não criar uma nova matriz econômica".

"Queremos encontrar o caminho mais seguro, com compromisso com a razoabilidade para retomar o crescimento, gerar empregos, garantir a confiança aos brasileiros", afirmou.

Segundo ele, os parâmetros de concessões não terão mais "o objetivo de melhorar no passado ou de prestar serviço de melhor qualidade para o cidadão brasileiro".

"Lamentavelmente, na situação econômica que vivemos, esses são subprodutos do esforço que vamos fazer. O objetivo primeiro é gerar empregos. Sem a participação do empresariado, nós não teremos sucesso."

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também