Montadoras negociam fabricar ventiladores e leitos contra coronavírus

Fontes próximas à Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores relataram com exclusividade à EXAME que empresas estão conversando com governo

Na última sexta-feira, 20, a indústria automobilística do Brasil começou a se articular para estudar a possibilidade de aproveitar a capacidade ociosa das fábricas para produzir ventiladores pulmonares, fundamentais para atender pacientes com coronavírus em estado grave, e até leitos hospitalares.

Fontes próximas à Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) relataram com exclusividade à EXAME que nada impede que as montadoras ajudem a produzir equipamentos essenciais para a área de saúde nesse momento, mesmo porque muitas estão com a capacidade ociosa.

O setor está em contato com o governo federal e secretarias de saúde estaduais para analisar quais aparelhos seriam mais importantes para aumentar a capacidade de atendimento às pessoas infectadas pelo coronavírus nesse momento.

A Anfavea é a entidade que reúne todas as empresas fabricantes de autoveículos, máquinas agrícolas e rodoviárias autopropulsadas com instalações industriais e produção no Brasil.

Desde a última semana, montadoras como a GM e a Mercedes-Benz anunciaram a paralisação de suas atividades. Nesta segunda-feira, 23, a previsão é que a Ford também pare sua produção. A intenção é resguardar os milhares de funcionários que trabalham nas unidades produtivas.

A fabricação de ventiladores e outros equipamentos da área de saúde exigiria menos mão de obra. Com linhas de montagem automatizadas e tecnologia de ponta, as montadoras podem dar conta do recado, diz a Anfavea.

Nos Estados Unidos, a Ford, GM e Tesla se prontificaram a ajudar na fabricação de ventiladores e outros equipamentos hospitalares fundamentais para o tratamento de portadores do coronavírus.

“Com maior produtor de veículos da América, a Ford está pronta para ajudar o governo em qualquer forma que pudermos, incluindo a possibilidade de produzir ventiladores mecânicos e outros equipamentos”, disse a Ford, em comunicado, na última semana.

Os Estados Unidos têm cerca de 160.000 ventiladores. No Brasil, são menos de 70.000. Aqui, outra preocupação é o aumento da demanda por leitos comuns e de UTI nos hospitais.

A prefeitura de São Paulo vai disponibilizar 2.000 leitos novos em hospitais de campanha que serão montados no estádio do Pacaembu e no complexo Anhembi, centro de eventos com 400.000 metros quadrados.

A expectativa é que os pacientes, de baixa complexidade, comecem a ser atendidos na próxima semana. O aumento no número de casos da doença deverá pressionar ainda mais o sistema de saúde, que precisará de mais leitos e equipamentos.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?

Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?

Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.