Ministro entra com processo contra secretário de Alckmin

José Eduardo Cardozo entrou com processo por injúria contra José Aníbal, que o chamou de "vigarista"

Brasília - O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, entrou nesta semana com processo por injúria contra o secretário de Energia de São Paulo, José Aníbal, que o chamou de "vigarista" após o vazamento da investigação da Polícia Federal sobre o cartel do Metrô em governos do PSDB. Cardozo entrou com ação penal contra Aníbal, alegando que ele cometeu crime contra a honra.

"Ele disse que eu era vigarista, acobertador de falsários, bandido e sonso. O ministro da Justiça não pode aceitar passivamente ser ofendido na sua honra, até em defesa do cargo que ocupa", afirmou Cardozo ao Estado.

Aníbal disse que parte do relatório com a denúncia do ex-diretor da Siemens Everton Rheinheimer foi "adulterado" e acusou o ministro de fazer "vazamento seletivo" de informações. No último dia 4, o secretário tirou licença do governo de Geraldo Alckmin e retomou sua cadeira de deputado por um dia só para participar da sabatina do ministro no Congresso.

Na ocasião, Aníbal desafiou Cardozo a processá-lo. "Eu disse o que achava sobre o vazamento e continuo a dizer", insistiu ele. Além do processo por injúria, o ministro disse que entrará com ação por danos morais contra o secretário.

O inquérito do caso Siemens está agora no Supremo Tribunal Federal. Em depoimento sigiloso prestado à Justiça de São Paulo, como revelou o Estado, o ex-diretor da Siemens Everton Rheinheimer citou Aníbal e outros secretários de Alckmin, como Edson Aparecido (PSDB), chefe da Casa Civil, Rodrigo Garcia (DEM), titular de Desenvolvimento Econômico, e os deputados Arnaldo Jardim (PPS-SP) e Campos Machado (PTB) como destinatários da propina do cartel. Todos negam as acusações.

De acordo com a denúncia, o desvio de recursos públicos nas obras do Metrô e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) atingiu os governos tucanos de Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin. Para Aníbal, Cardozo age com o objetivo de tirar o escândalo do mensalão da pauta porque é filiado ao PT e quer tentar jogar a "lama" no colo do PSDB.

Os documentos com denúncias de corrupção envolvendo o cartel de trens e Metrô chegaram às mãos de Cardozo por intermédio do deputado estadual Simão Pedro (PT), hoje secretário de Serviços do prefeito Fernando Haddad. O presidente do Conselho Administrativo de Defesa do Direito Econômico (Cade), Vinícius Carvalho, foi assessor de Simão Pedro antes de assumir o cargo em Brasília e, como escondeu a informação do currículo, tucanos sustentam que Cardozo planejou uma "armadilha" para incriminar o PSDB em um ano pré-eleitoral. O fato é negado pelo ministro. "Quem quer esclarecer os fatos não politiza investigações", argumentou Cardozo.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.