Ministra pede agilidade para aprovar reajuste a policiais

Desde o início do ano, os policiais federais ameaçavam entrar em greve durante a Copa do Mundo

Brasília - A ministra do Planejamento, Miriam Belchior, pediu hoje (3) que o Congresso Nacional tenha agilidade para aprovar o reajuste de 15,8% a agentes, escrivães e papiloscopistas da Polícia Federal.

Em entrevista exclusiva à Agência Brasil, ela destacou que o aumento precisa ser aprovado ainda no primeiro semestre para evitar as restrições da Lei Eleitoral, que impede a concessão de reajustes salariais a servidores públicos no período de campanha.

Ontem (2), o governo encaminhou projeto de lei ao Congresso para alterar a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).

Atualmente, a LDO só valida aumentos para servidores caso o projeto de lei com o reajuste tenha sido enviado até 24 de dezembro do ano anterior.

Após a aprovação do projeto, a presidenta Dilma Rousseff ainda precisará editar medida provisória com o aumento.

Segundo a ministra, a expectativa é que o projeto de alteração da LDO seja aprovado até o fim da semana na Comissão Mista de Orçamento (CMO).

“A partir daí, o Plenário do Congresso [em sessão conjunta da Câmara dos Deputados e do Senado] terá de aprovar o projeto. Peço aos congressistas sensibilidade e agilidade para votarem a proposta e garantirem o reajuste”, declarou.

Com o fechamento do acordo, destacou a ministra, 100% das categorias do funcionalismo público aceitaram a proposta apresentada em 2012. Na ocasião, o governo ofereceu reajuste de 15,8% parcelado em três anos.

“Na época, 94% das categorias aceitaram o reajuste. Até os delegados da Polícia Federal tinham concordado com o aumento escalonado, mas os agentes, os escrivães e os papiloscopistas eram os únicos que resistiam até agora. Ontem, eles felizmente aceitaram nossa proposta”, destacou a ministra.

De acordo com Miriam Belchior, o fato de apenas uma categoria não ter aceitado o acordo permitiu que o governo abrisse a exceção na LDO. “Oferecemos a eles o que tínhamos oferecido a todo mundo. Era o máximo que o governo podia conceder”, justificou.

Desde o início do ano, os policiais federais ameaçavam entrar em greve durante a Copa do Mundo.

Os agentes, os papiloscopistas e os escrivães alegavam que estão com o salário congelado há cinco anos e acumulavam perda de 45% no poder aquisitivo.

Em audiência na CMO no fim de abril, a ministra do Planejamento havia dito que o prazo para chegar a um acordo estava acabando e, caso a categoria não aceitasse a proposta, o governo só reabriria as discussões em 2015 por causa da legislação eleitoral.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.