Brasil
Acompanhe:

Mercado não é monstro ou entidade, é máquina que aloca recursos, diz Campos Neto

Durante participação em evento na Bloomberg, ele voltou a dizer que a disciplina fiscal e a preocupação social devem caminhar juntas

Campos Neto: "É importante ter disciplina fiscal e olhar para o social", reforçou (Marcos Oliveira/Agência Senado)

Campos Neto: "É importante ter disciplina fiscal e olhar para o social", reforçou (Marcos Oliveira/Agência Senado)

E
Estadão Conteúdo

18 de novembro de 2022, 14h22

Após críticas do presidente eleito da República, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), à reação na Bolsa das declarações sobre responsabilidade fiscal, o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, disse nesta sexta-feira, 18, que o mercado não é um monstro, mas sim uma máquina que aloca os recursos da economia.

Durante participação em evento na Bloomberg, ele voltou a dizer que a disciplina fiscal e a preocupação social devem caminhar juntas, e é preciso mostrar a investidores essa convergência.

"Se acreditarmos que convergência não acontecerá por fiscal, vamos reagir", adiantou o presidente do BC.

Fique por dentro de tudo sobre as Eleições 2022 e os resultados das pesquisas eleitorais. Clique aqui e receba gratuitamente a newsletter EXAME Desperta.

Ele observou que a população pobre é a mais prejudicada quando as condições são adversas.

"É importante ter disciplina fiscal e olhar para o social", reforçou Campos Neto. "O Brasil tem o desafio de comunicar que tem disciplina fiscal", acrescentou, destacando que a incerteza, além de restringir o espaço para gastos, exerce papel relevante na nossa ação da autoridade monetária.

Subsídios ao crédito

O presidente do Banco Central afirmou ainda que subsídios ao crédito, como os que marcaram a gestão da ex-presidente da República Dilma Rousseff (PT), afetam o arcabouço fiscal, com implicações na política monetária. Durante a participação no evento da Bloomberg, Campos Neto observou que o crédito subsidiado tem impacto no juro neutro.

"Se voltarmos a ambiente em que bancos públicos fazem muito crédito subsidiado, mudaria nosso arcabouço", comentou o presidente do BC.

Ao destacar diversas vezes o ambiente de elevadas incertezas, o presidente do BC declarou que, diante das notícias sobre a vontade do governo de gastar mais do que o esperado, é preciso aguardar o que será aprovado.

"Será importante não apenas o arcabouço fiscal, mas também as expectativas do mercado sobre esse novo arcabouço. Temos que aguardar", afirmou Campos Neto.

LEIA TAMBÉM: