• AALR3 R$ 20,12 -0.40
  • AAPL34 R$ 68,48 2.55
  • ABCB4 R$ 16,88 1.14
  • ABEV3 R$ 14,10 0.57
  • AERI3 R$ 3,90 7.14
  • AESB3 R$ 10,89 1.78
  • AGRO3 R$ 30,85 0.36
  • ALPA4 R$ 20,80 1.66
  • ALSO3 R$ 19,39 2.00
  • ALUP11 R$ 27,16 1.34
  • AMAR3 R$ 2,50 3.73
  • AMBP3 R$ 31,39 4.46
  • AMER3 R$ 24,18 3.03
  • AMZO34 R$ 65,66 -1.47
  • ANIM3 R$ 5,59 2.57
  • ARZZ3 R$ 79,75 -1.98
  • ASAI3 R$ 15,91 -0.31
  • AZUL4 R$ 21,98 4.17
  • B3SA3 R$ 12,08 0.33
  • BBAS3 R$ 38,45 3.92
  • AALR3 R$ 20,12 -0.40
  • AAPL34 R$ 68,48 2.55
  • ABCB4 R$ 16,88 1.14
  • ABEV3 R$ 14,10 0.57
  • AERI3 R$ 3,90 7.14
  • AESB3 R$ 10,89 1.78
  • AGRO3 R$ 30,85 0.36
  • ALPA4 R$ 20,80 1.66
  • ALSO3 R$ 19,39 2.00
  • ALUP11 R$ 27,16 1.34
  • AMAR3 R$ 2,50 3.73
  • AMBP3 R$ 31,39 4.46
  • AMER3 R$ 24,18 3.03
  • AMZO34 R$ 65,66 -1.47
  • ANIM3 R$ 5,59 2.57
  • ARZZ3 R$ 79,75 -1.98
  • ASAI3 R$ 15,91 -0.31
  • AZUL4 R$ 21,98 4.17
  • B3SA3 R$ 12,08 0.33
  • BBAS3 R$ 38,45 3.92
Abra sua conta no BTG

Mentor da Lei da Ficha Limpa afirma que situação de Lula "é de inelegível"

Petista teve seu embargo de declaração contra o acórdão que o condenou a 12 anos e um mês de prisão no caso triplex negado pelo TRF-4
Lula: segundo Márlon Reis, o ex-presidente já está inelegível desde a condenação em 24 de janeiro (Reuters/Paulo Withaker)
Lula: segundo Márlon Reis, o ex-presidente já está inelegível desde a condenação em 24 de janeiro (Reuters/Paulo Withaker)
Por Julia Affonso, Ricardo Brandt e Fausto Macedo, do Estadão ConteúdoPublicado em 26/03/2018 17:21 | Última atualização em 26/03/2018 17:21Tempo de Leitura: 3 min de leitura

São Paulo e Porto Alegre - O advogado Márlon Reis, ex-juiz eleitoral e mentor da Lei da Ficha Limpa, afirmou nesta segunda-feira, 26, que o ex-presidente Lula "é inelegível". O petista teve seu embargo de declaração contra o acórdão que o condenou a 12 anos e um mês de prisão no caso triplex negado pelos desembargadores do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4).

Segundo Márlon Reis, o petista já está inelegível desde a condenação em 24 de janeiro.

"A inelegibilidade já havia acontecido quando houve a condenação, mesmo antes dos embargos de declaração. O que houve foi uma manutenção do estado de inelegibilidade do ex-presidente Lula. A Lei da Ficha Limpa estabelece que após a condenação pelo órgão colegiado ocorre inelegibilidade mesmo que ainda caibam recursos", ressaltou o advogado. "Essa é a situação dele hoje, de inelegível."

Márlon Reis afirmou que Lula tem duas formas para tentar reverter a situação.

"Obter em tempo hábil o provimento de um recurso para alcançar a absolvição em instância superior ou então obter uma liminar suspendendo os efeitos dessa condenação. Essa liminar, entretanto, poderá ser requerida junto à Justiça Criminal", apontou.

De acordo com o juiz da Ficha Limpa, não cabe recurso ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). "As medidas que podem ser buscadas contra a inelegibilidade são destinadas à Justiça Criminal. Se ele não obtiver nenhuma das duas medidas, ele terá o registro indeferido."

O magistrado afirmou que Lula pode registrar sua candidatura. "Todos têm o direito de tentar registrar e de participar da campanha enquanto se discute o registro."

Condenado em 2.ª instância e com recurso negado, Lula não pode ser preso. O petista tem sua liberdade garantida pelo menos até 4 de abril quando o Supremo Tribunal Federal (STF) vai analisar um pedido de habeas corpus preventivo - o ex-presidente busca o direito de recorrer em liberdade até o trânsito em julgado da sentença.

Na quinta-feira, 22, o Supremo concedeu um salvo-conduto a Lula, impedindo eventual ordem de prisão contra o ex-presidente no caso triplex. O documento só tem validade para este processo.

Defesa

Em nota, o advogado Cristiano Zanin Martins, que defende Lula, afirmou: "A defesa aguardará a publicação do acórdão relativo ao julgamento dos embargos de declaração para definir o recurso que será interposto para impugnar a ilegal condenação imposta ao ex-Presidente Lula pela 8a. Turma do Tribunal Regional Federal da 4a. Região no último dia 24 de janeiro.

Na sessão de hoje (26/03) o Desembargador Relator fez a leitura apenas de um resumo do seu voto, que foi acompanhado pelos demais julgadores. Os embargos de declaração haviam apontado dezenas de omissões e contradições presentes no julgamento da apelação que deveriam ser corrigidas e, como consequência, levar ao reconhecimento da nulidade do processo ou da absolvição de Lula. Será necessária a leitura do acórdão para verificar se todas elas foram enfrentadas pelo Tribunal.

Até o momento não houve o exaurimento da jurisdição do TRF4, que ainda poderá ser questionado sobre a decisão proferida nesta data."