Marina sobre aborto: 513 pessoas não podem decidir por 200 milhões

Candidata afirmou em rede de televisão ser contra o aborto, porém, que "decisão para além do que existe na lei atual deve ir a consulta popular"

São Paulo - A candidata da Rede à Presidência, Marina Silva, fez na noite desta segunda-feira, 27, uma fala enfática em relação à posição dela sobre o aborto. Mesmo sendo contrária, ela reiterou à Record TV que qualquer avanço além da lei atual deve ir a consulta popular.

"Vou aproveitar este momento para deixar clara a minha posição sobre este tema", afirmou Marina à emissora. "Sou contra o aborto. Mas decisão para além do que existe na lei atual deve ir a consulta popular. Não acredito que 513 pessoas podem decidir por 200 milhões."

A candidata afirmou ainda ser contra o aborto por questões religiosas, éticas e filosóficas. "O aborto não pode ser tratado como método contraceptivo", afirmou.

A posição da candidata sobre o tema é vista com resistência em setores que já a apoiaram. O pastor Silas Malafaia, que votou em Marina em 2014, passou a apoiar Jair Bolsonaro (PSL) e criticou reiteradas vezes a ex-senadora nas últimas semanas. Para ele, um "cristão de verdade" não vota nela.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.