Internado em UTI, Maguito Vilela inicia mandato como prefeito de Goiânia

Até que o prefeito deixe a UTI, se recupere e tenha condições de assumir o Executivo municipal, o mandato será comandado pelo vice
 (Reprodução/Facebook)
(Reprodução/Facebook)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 01/01/2021 16:51 | Última atualização em 01/01/2021 17:30Tempo de Leitura: 2 min de leitura

O novo prefeito de Goiânia, Maguito Vilela (MDB), inicia seu mandato nesta sexta-feira, 1º, ainda sedado em um leito de UTI do Hospital Albert Einstein, em São Paulo. Ele está internado desde 27 de outubro para tratar graves complicações da covid-19. Na sessão solene da Câmara Municipal para a posse de vereadores e dos eleitos na disputa majoritária, está presente apenas o vice-prefeito, Rogério Cruz (Republicanos).

O boletim médico mais recente, divulgado ontem, 31, informava que Maguito segue em tratamento de hemodiálise, traqueostomizado, respirando com auxílio de ventilação, com níveis adequados de oxigenação. "Responde aos estímulos e apresenta longos períodos de despertar", completa o informe.

Com o agravamento de seu quadro de covid-19 e a internação no fim de outubro, o ex-governador de Goiás nem sequer pôde comparecer à urna para votar na própria chapa. Nos exercícios que a equipe do Einstein desempenha no que chama de "períodos de despertar", chegou-se a comentar com Maguito sobre sua vitória na eleição, mas os médicos advertem que não é possível saber o nível de percepção do paciente nesses momentos.

Ainda durante a campanha em Goiânia, a chapa vencedora foi duramente criticada por seu adversário no segundo turno, o senador Vanderlan Cardoso (PSD). O parlamentar alegava haver omissão do então candidato a vice e protagonismo do filho de Maguito e presidente estadual do MDB, Daniel Vilela (MDB).

Agora, até que o prefeito deixe a UTI, se recupere e tenha condições de assumir o Executivo municipal, o mandato será comandado por Cruz, oficialmente empossado hoje na Câmara goianiense.