Brasil

Lula muda tom sobre Lira e defende não interferir na eleição do comando da Câmara

Em crítica à politização da atuação do STF, Lula afirmou que "a culpa é do político"

Lula: candidato à Presidência defende não interferir na eleição do comando da Câmara (RAFAELA ARAUJO/AFP/Getty Images)

Lula: candidato à Presidência defende não interferir na eleição do comando da Câmara (RAFAELA ARAUJO/AFP/Getty Images)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 27 de julho de 2022 às 13h46.

O candidato à Presidência Luiz Inácio Lula da Silva (PT) mudou o tom em relação ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL). Após criticar o líder pelo excesso de poder e compará-lo ao imperador do Japão em maio deste ano, o petista disse que não irá interferir na eleição do Congresso.

"Não é o presidente da Câmara que precisa do presidente da República, é o contrário. Não podemos achar que tem de se meter na eleição do presidente da Câmara", disse Lula durante entrevista ao Portal Uol. "É prudente não se meter", continuou.

Em crítica à politização da atuação do Supremo Tribunal Federal (STF), Lula afirmou que "a culpa é do político".

De acordo com o ex-presidente, a classe judicializou o processo político. "Qualquer coisinha as pessoas entram com recurso na Suprema Corte", disse, reforçando que determinados temas precisam ser resolvidos no plenário da Câmara.

(Estadão Conteúdo)

LEIA TAMBÉM:

Janones pensou em desistir da candidatura, mas manteve após conversa com Lula

Jingles para presidente 2022: Lula e Bolsonaro apostam em piseiro e sertanejo

Lula tem 52% da preferência dos jovens, e empata com Bolsonaro entre mais velhos

Acompanhe tudo sobre:Arthur LiraCâmara dos DeputadosEleiçõesLuiz Inácio Lula da SilvaPolíticos brasileiros

Mais de Brasil

Justiça determina prisão de 98 anos a Renato Duque, ex-diretor da Petrobras

Prouni 2024: inscrições para vagas do 2º semestre começam na próxima terça, 23

Letalidade policia cresce 188% em 10 anos; negros são as principais vítimas, aponta Anuário

⁠Violência doméstica contra a mulher cresce 9,8% no Brasil, aponta Anuário de Segurança Pública

Mais na Exame