Brasil

Lula encontra Renan por votos em Alagoas

A aliança entre ambos não chega a ser surpreendente, já que foi feita em outros momentos da vida política

Lula e Calheiros: encontro será reeditado hoje, durante a visita da caravana de Lula pelo Nordeste (Ricardo Stuckert/ Instituto Lula/Divulgação)

Lula e Calheiros: encontro será reeditado hoje, durante a visita da caravana de Lula pelo Nordeste (Ricardo Stuckert/ Instituto Lula/Divulgação)

EH

EXAME Hoje

Publicado em 22 de agosto de 2017 às 06h27.

Última atualização em 22 de agosto de 2017 às 08h35.

No começo da tarde desta terça-feira, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva desembarca em Penedo, no sul de Alagoas em mais uma parada de sua caravana pelo Nordeste. É ali que encontrará com Renan Calheiros (PMDB), senador pelo estado, que acabou tornando-se mais um dos aliados pouco prováveis que fez ao longo da carreira política. Depois do ato na cidade, ambos seguem para Arapiraca, onde passam a noite. Amanhã, o ex-presidente vai para Maceió, onde deve jantar com o senador e seu filho, o governador Renan Calheiros Filho.

Às Sete – um guia rápido para começar seu dia

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete e comece o dia bem informado:

A aliança entre ambos não chega a ser surpreendente, já que foi feita em outros momentos da vida política. Dessa vez, o motivo foi o inimigo em comum, o presidente Michel Temer. Renan, até pouco tempo líder do PMDB no Senado, tem se animado com o resultado das pesquisas ao Senado no estado, e viu a baixa popularidade do presidente como a melhor forma de aumentar a sua, elevando o tom das críticas. Para completar o combo, colar na figura de Lula, muito influente na região.

Lula, por sua vez, sabe que não pode desprezar apoios caso consiga de fato ser candidato em 2018 – ainda mais de um senador que tem seu filho como governador. Ter o colega de palanque como réu em um processo no Supremo Tribunal Federal e sendo investigado em outros 11 não parece ser problema.

A mais polêmica parceria recente de Lula foi a feita com Paulo Maluf, ex-adversário histórico e ex-governador biônico de São Paulo durante a ditadura. Maluf é famoso pelo slogan imputado a ele, o “rouba mas faz”. Lula apertou a mão dele para pedir benção à candidatura de Fernando Haddad à prefeitura de São Paulo, em 2012. À época, deu certo. Com a proximidade das eleições de 2018, o vale-tudo de Lula tende a se intensificar.

Acompanhe tudo sobre:AlagoasÀs SeteExame HojeLuiz Inácio Lula da SilvaPolíticaPolíticos brasileirosRenan Calheiros

Mais de Brasil

Você conhece o Hunsrik? Idioma germânico do Sul entra no Google Tradutor

No ritmo atual, universalização do sanemento no Brasil só acontecerá em 2070, aponta estudo

Senado informa ao STF que deve votar projeto de renegociação da dívida dos estados em agosto

Mais na Exame