Brasil

Lula confirma que enviará Celso Amorim à Ucrânia para encontro com Zelensky

Amorim foi à Rússia no início do mês e se reuniu com o presidente Vladimir Putin, dias antes de o chanceler russo, Serguei Lavrov, vir ao Brasil e ser recebido pelo próprio Lula

Lula: o chefe do Executivo brasileiro acabou ajustando o tom de posicionamentos que havia assumido sobre o confronto (Andressa Anholete/Getty Images)

Lula: o chefe do Executivo brasileiro acabou ajustando o tom de posicionamentos que havia assumido sobre o confronto (Andressa Anholete/Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 26 de abril de 2023 às 12h22.

Última atualização em 26 de abril de 2023 às 12h24.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva confirmou nesta quarta-feira, 26, que enviará o assessor especial da Presidência e ex-chanceler Celso Amorim para um encontro com o presidente da Ucrânia, Volodmir Zelensky. Amorim foi à Rússia no início do mês e se reuniu com o presidente Vladimir Putin, dias antes de o chanceler russo, Serguei Lavrov, vir ao Brasil e ser recebido pelo próprio Lula.

Na primeira visita à Europa em seu terceiro mandato, o chefe do Executivo brasileiro acabou ajustando o tom de posicionamentos que havia assumido sobre o confronto, provocando reação negativa da União Europeia e dos Estados Unidos.

Em viagem a China e Emirados Árabes Unidos, Lula declarou que Rússia e Ucrânia eram responsáveis pela guerra, e que americanos e europeus não vinham colaborando para o fim do conflito, pelo contrário. Cumprindo agenda em Madri e Lisboa, desde o dia 22, o mandatário brasileiro mudou de posição. Reconheceu a "agressão à integridade territorial" à Ucrânia e insistiu que o Brasil é neutro em relação ao conflito, mas que age para buscar a paz. "Estamos negociando para chegar aos dois (Rússia e Ucrânia) e tentar parar a guerra. Só eu falo em paz e procuro um grupo de pessoas dispostas a parar a guerra", afirmou o presidente nesta quarta.

Na última sexta-feira, em Lisboa, o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Márcio Macedo, recebeu representantes da sociedade ucraniana e anunciou que Lula havia ordenado a visita de Amorim.

Lula e o presidente de governo da Espanha, Pedro Sánchez, assinaram hoje três memorandos resultantes das conversas e negociações ocorridas na visita do governo brasileiro ao país. A cerimônia ocorreu no Palácio de Moncloa, sede do governo espanhol.

Acordos entre Brasil e Espanha

Lula e o presidente de governo da Espanha, Pedro Sánchez, assinaram nesta quarta três memorandos resultantes das conversas e negociações ocorridas na visita do governo brasileiro ao país. A cerimônia ocorreu no Palácio de Moncloa, sede do governo espanhol.

Um dos acordos foi firmados entre o Ministério de Universidades do Reino da Espanha e o Ministério da Educação da República Federativa do Brasil e trata de cooperação no ensino superior universitário.

Foi assinado também um Memorando de Entendimento sobre cooperação entre o Ministério do Trabalho e Economia Social do Reino da Espanha e o Ministério do Trabalho e Emprego da República Federativa do Brasil.

Além disso, foi assinada ainda Carta de Intenções na Área de Ciência, Tecnologia e Inovação entre o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação da República Federativa do Brasil, o Ministério da Ciência e Inovação do Reino da Espanha, a financiadora de estudos e projetos; e o Centro para o Desenvolvimento Tecnológico Industrial do Reino da Espanha.

Os detalhes dos acordos serão divulgados ao longo da semana. Lula encerra ainda nesta quarta a visita à Espanha após encontro com o rei Felipe VI.

Acompanhe tudo sobre:Celso AmorimLuiz Inácio Lula da Silva

Mais de Brasil

Guarulhos e Galeão têm atrasos causados por efeitos do apagão cibernético global

BNDES anuncia financiamento de R$ 4,5 bi de 32 jatos da Embraer à American Airlines

STF diz que foi afetado por apagão global, mas que principais serviços já foram restabelecidos

Mais na Exame