A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Luís Miranda reverte golpe no Pix: saiba como se proteger

Criminosos acionam vítimas pelo WhatsApp e até mesmo depositam dinheiro para passar credibilidade, como fizeram com o deputado

Nesta quinta-feira, o "golpe do Pix" ficou ainda mais famoso na internet a partir da notícia de que o deputado Luís Miranda teria sido vítima do crime. Apesar de a notícia revelar o tamanho da criatividade do brasileiro para o mal, neste caso é necessário estar atento para não perder dinheiro por meio das plataformas digitais. Mas afinal, que golpe é esse e como evitá-lo?

Em linhas gerais, esse tipo de golpe funciona a partir de uma conta de WhatsApp hackeada. Frequentemente, criminosos enviam uma mensagem pelo aplicativo fingindo ser de empresas em que a vítima tem cadastro. Eles solicitam o código de segurança, que já foi enviado por SMS pelo aplicativo, afirmando se tratar de uma atualização, manutenção ou confirmação de cadastro. De posse da lista de contatos, enviam mensagens a uma grande parte deles, perguntando sobre informações pessoais e pedindo dinheiro. Há ainda outras maneiras de invadir contas de WhatsApp, mas essa é um exemplo mais comum.

No caso de Luís Miranda, o celular hackeado em questão era o de Rodrigo Maia (DEM-RJ), ex-presidente da Câmara dos Deputados. De acordo com as informações divulgadas pela mídia, o modus operandi segue alguns desses passos: perguntar que tipo de banco a pessoa usa e pedir por uma quantia em dinheiro. Nesse caso, os criminosos chegaram até a enviar uma quantia em dinheiro ao deputado para passar certa "credibilidade" de que não se tratava de um golpe.

Como evitar?

Ninguém está totalmente imune aos golpes, mas é possível adotar uma série de medidas que contribuem para melhorar a segurança do próprio WhatsApp, como a autenticação de dois fatores.

Além disso, desconfie de informações recebidas por e-mail e números desconhecidos. Lembre-se de que bancos não pedem qualquer tipo de dado ou informação de clientes por telefone ou e-mail. Se receber um link de pagamento, verifique se trata-se de uma instituição confiável e não forneça sua chave Pix ou identificação para outros. Por último, fique atento aos comprovantes de pagamento enviados por pessoas que você não conhece.

Caí no golpe, e agora?

É importante lembrar que as instituições financeiras têm adotado uma série de processos e dispositivos de segurança para mitigar as fraudes bancárias — incluindo as que acontecem por meio do Pix. Boa parte das fraudes acontece por desatenção do cliente, e não necessariamente por causa de falhas de segurança dos bancos.

Infelizmente, se a fraude ocorrer por descuido do cliente, como o fornecimento de dados em canais que não sejam os da própria instituição financeira, é comum que não haja ressarcimento do prejuízo.

"Não custa lembrar que o usuário tem sua parcela de responsabilidade e o dever de adotar os cuidados devidos no fornecimento de informações pessoais e financeiras. Isso, inclusive, pode caracterizar culpa exclusiva da vítima, o que acaba afastando a responsabilidade das instituições financeiras", alerta Ricardo Motta, do escritório Viseu Advogados.

Assine a EXAME e acesse as notícias mais importantes em tempo real.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também