Lira e Pacheco querem aprovar reforma tributária até outubro

Os presidentes da Câmara e do Senado anunciaram que os trabalhos na comissão mista que discute o assunto devem terminar ainda em fevereiro

Os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), chegaram nesta quinta-feira, 4, a um prazo para a aprovação da reforma tributária. O texto deve ser concluído entre seis e oito meses, anunciaram, após encontro com o relator da matéria, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), e com o presidente da comissão mista que discute o tema, senador Roberto Rocha (PSDB-MA).

A ideia é que, até outubro, a reforma já tenha passado por todas as etapas de tramitação, inclusive pelos plenários da Câmara e do Senado, e esteja pronta para promulgação. Os trabalhos na comissão mista devem terminar ainda em fevereiro. Em seguida, os parlamentares vão decidir se a matéria começará a tramitar pelo Senado ou pela Câmara, o que não foi definido na reunião desta quinta.

“É o que o mercado e a sociedade esperam de nós: uma reforma tributária que seja a mais justa possível e que entregue ao país um sistema de arrecadação mais simplificado, menos burocratizado, com mais justiça social, não inibindo o setor produtivo do Brasil", disse Pacheco. Segundo Lira, "não vai haver briga por protagonismo entre Câmara e Senado por essas reformas".

Propostas

A comissão mista da reforma tributária foi criada há um ano, diante da falta de consenso entre dois projetos que tramitam no Congresso: a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 45, na Câmara, e a PEC 110, no Senado. O objetivo do colegiado é apresentar uma versão consensual, para que esse texto possa, então, começar a tramitar oficialmente.

A base das reformas tributárias discutidas no Congresso é a unificação de impostos, para simplificar a cobrança. A diferença é a abrangência. A PEC 110 prevê a substituição de nove tributos: os federais IPI, IOF, PIS, Pasep, Cofins, CIDE-Combustíveis, Salário-Educação; o ICMS (estadual); e o ISS (municipal). A PEC 45 trata apenas de cinco: IPI, PIS, Cofins, ICMS, ISS. 

Além das duas PECs, também está em discussão um projeto apresentado pelo governo. Mais simples, o texto propõe unificar o Programa de Integração Social (PIS), e a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins), criando um imposto sobre valor agregado (IVA) batizado de Contribuição Social sobre Operações com Bens e Serviços (CBS). A criação de uma nova CPMF não entrou no texto do governo, mas foi discutida dentro do Ministério da Economia.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.