Brasil

Lewandowski e Dino fazem reunião de transição pela primeira vez no Ministério da Justiça

Ex-integrante do STF foi nomeado oficialmente nesta segunda-feira e toma posse em 1º de fevereiro

Ministério da Justiça: Lewandowski já começou a montar a equipe que comandará na pasta (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Ministério da Justiça: Lewandowski já começou a montar a equipe que comandará na pasta (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 23 de janeiro de 2024 às 10h12.

O novo ministro da Justiça, Ricardo Lewandowski, se reúne pela primeira vez nesta terça-feira com seu antecessor, Flávio Dino, para discutir a transição da pasta.

Anunciado no dia 11 deste mês, Lewandowski teve sua nomeação publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta segunda-feira. A posse do ministro aposentado do Supremo Tribunal Federal (STF) está marcada para 1º de fevereiro.

Lewandowski já começou a montar a equipe que comandará na pasta. Ele convidou o procurador-geral de Justiça do Ministério Público de São Paulo, Mário Luiz Sarrubbo, para assumir a Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) — área que garantiu ser sua prioridade. Sarrubbo é próximo do ministro do STF Alexandre de Moraes.

Conforme mostrou O GLOBO, Lewandowski tem mantido contato direto com Dino para tratar das mudanças no ministério. Os dois devem se reunir nesta terça-feira às 14h no Ministério da Justiça.

Dino foi escolhido pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva para assumir o cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal após aposentadoria da ex-ministra Rosa Weber. Ele tomará posse na Suprema Corte em 22 de fevereiro.

Acompanhe tudo sobre:Ricardo LewandowskiFlávio DinoMinistério da Justiça e Segurança Pública

Mais de Brasil

Roberto Jefferson paga R$ 40 mil à PF por conserto de viatura que atingiu com 42 tiros

Brasil inclui luta contra racismo pela 1ª vez na agenda do G20

AliExpress e Shopee antecipam data de taxação de compras de até US$ 50; veja quando passa a valer

PM impõe 100 anos de sigilo a processos disciplinares de Mello, candidato a vice de Nunes em SP

Mais na Exame