Lamento as mortes por covid-19 mas vamos tocar a vida, diz Bolsonaro

Nesta quinta, o Brasil registrou 1.237 novas mortes em decorrência do coronavírus, atingindo uma contagem total de 98.493 óbitos

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quinta-feira, em transmissão pelas redes sociais, lamentar as mortes por Covid-19 no país, que devem chegar em breve a 100 mil, mas disse que é preciso tocar a vida e buscar formas de superar o novo coronavírus.

"A gente lamenta todas as mortes, está chegando ao número 100 mil... mas vamos tocar a vida e buscar uma maneira de se safar desse problema", disse.

Nesta quinta, o Brasil registrou 1.237 novas mortes em decorrência do coronavírus, atingindo uma contagem total de 98.493 óbitos, de acordo com informações do Ministério da Saúde. O número emblemático de 100 mil óbitos deve ser atingido no sábado.

Segundo país do mundo mais afetado pela pandemia de Covid-19, atrás apenas dos Estados Unidos, o Brasil também notificou mais 53.139 casos da doença, o que eleva o total local a 2.912.212 infecções.

Na transmissão pelas redes sociais, o presidente também responsabilizou "alguns" prefeitos e governadores pela alta do desemprego. Ele criticou as medidas mais drásticas de fechamento de atividade econômica, como lockdowns, e citou que a perda de empregos é um "efeito colateral" mais grave do que o causado pelo próprio vírus.

Mais cedo, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que o Brasil encerrou o segundo trimestre com a maior taxa de desemprego em três anos e redução recorde no número de pessoas ocupadas, como consequência das medidas de contenção da pandemia de coronavírus.

Cloroquina

Ao lado do ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, o presidente Jair Bolsonaro voltou a fazer propaganda sobre o uso da hidroxicloroquina para o tratamento da covid-19. Não há comprovação científica sobre o uso do medicamento no caso do novo coronavírus.

"Quem não quer tomar cloroquina, não tente proibir, impedir quem queira tomar, afinal de contas, ainda não temos uma vacina e não temos um remédio comprovado cientificamente", disse.

"Muitas doenças estariam sem cura se o médico não tivesse a liberdade de trabalhar fora da bula", afirmou, corroborando sua fala com Pazuello, em live transmitida pelo Facebook.

Na sequência, o presidente emendou: "A negação de um medicamento a quem está doente não pode ser de um prefeito ou governador. Quem decide é o médico". Pazuello respondeu: "Exatamente".

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.