Brasil

Justiça transfere 14 presos de cadeias federais em ‘rodízio’ contra organizações criminosas

Governo afirmou que transferências fazem parte de um protocolo planejado para impedir articulações das organizações criminosas

Ministro da Justiça tem cobrado celeridades para recuperar fugitivos (STF/Flickr/Divulgação)

Ministro da Justiça tem cobrado celeridades para recuperar fugitivos (STF/Flickr/Divulgação)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 16 de março de 2024 às 17h07.

Última atualização em 28 de março de 2024 às 13h08.

Ministério da Justiça e Segurança Pública transferiu 14 presos entre unidades do sistema penitenciário federal na quinta-feira, 14, e sexta-feira, 15. A operação, chamada de rodízio periódico, tem o objetivo de "garantir o enfraquecimento dos líderes do crime organizado", segundo informou a pasta neste sábado, 16.

De acordo com a Secretaria Nacional de Políticas Penais (Senappen), as transferências fazem parte de um protocolo planejado para impedir articulações das organizações criminosas dentro das cadeias e enfraquecer possíveis vínculos nas regiões onde se encontram as penitenciárias federais.

Neste mês, Fernandinho Beira-Mar já havia sido transferido do presídio federal de Mossoró. Dois presos escaparam da mesma unidade em 14 de fevereiro, no que foi a primeira fuga registrada no sistema gerido pelo governo federal.

Busca por fugitivos

Nesta semana, as buscas pelos fugitivos completou um mês. Cerca de 500 agentes tentam recapturar Deibson Cabral Nascimento e Rogério da Silva Mendonça, ligados ao Comando Vermelho (CV), mas fracassaram até agora diante das táticas usadas pelos detentos e pela geografia da caatinga potiguar.

Apesar de o Ministro da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Lewandowski afirmar que há fortes indícios de que a dupla segue na região, a demora na recaptura incomoda, dizem fontes internas ao governo. O ministério diz ter adotado providências de reforço medidas ampliadas também para as outras quatro penitenciárias federais.

Seis já foram presos sob a acusação de ajudarem na fuga de alguma forma; as prisões foram em cidades do Ceará e do Rio Grande do Norte. Segundo Lewandowski, a investigação aponta que tem havido ajuda externa à dupla, que também se beneficia de furtos de alimentos de pomares da região.

Milicianos são retirados do RJ

A Secretaria Estadual de Administração Penitenciária do Rio de Janeiro (Seap) realizou hoje a transferência do miliciano Luiz Antônio da Silva Braga, o Zinho e seu principal comparsa, Marcelo de Luna Silva, o Boquinha, para o presídio federal de Campo Grande, em Mato Grosso do Sul.

Em uma operação que contou com intenso reforço policial e patrulhamento, Zinho e Boquinha foram entregues a agentes penais federais ligados a Secretaria Nacional de Políticas Penais (Senappen) e serão levados para a capital sul mato-grossense ainda neste sábado. O avião comercial que levará os dois tinha partida prevista para as 14h30 do Aeroporto Santos Dumont, no Centro capital carioca aeroporto e chegada em Campo Grande às 17h30.

A transferência foi ordenada no último dia 20 de fevereiro pela juíza Elizabeth Machado Louro, da 2ª Vara Criminal do Tribunal De Justiça Do Estado Do Rio De Janeiro, alegando que a permanência deles no Estado era um "grave e concreto risco à continuidade das políticas de segurança pública em desenvolvimento no Estado".

Acompanhe tudo sobre:Ministério da Justiça e Segurança Públicacrime-no-brasil

Mais de Brasil

Justiça determina prisão de 98 anos a Renato Duque, ex-diretor da Petrobras

Prouni 2024: inscrições para vagas do 2º semestre começam na próxima terça, 23

Letalidade policia cresce 188% em 10 anos; negros são as principais vítimas, aponta Anuário

⁠Violência doméstica contra a mulher cresce 9,8% no Brasil, aponta Anuário de Segurança Pública

Mais na Exame