A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Justiça Eleitoral não conseguirá combater fake news, dizem juristas

Ministro Marcelo Ribeiro diz que uso da tecnologia pode minorar problema, mas que é impossível controlar disseminação de notícias falsas durante a eleição

São Paulo - As eleições presidenciais deste ano no Brasil serão contaminadas pelas chamadas "fake news" e o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) não conseguirá combater a disseminação de notícias falsas no pleito, conforme análise de juristas em debate na capital paulista.

Para o ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Marcelo Ribeiro, é impossível controlar a disseminação de notícias falsas durante a eleição. "Acho que é impossível. Desde que o mundo é mundo, as pessoas mentem", afirmou, durante o Encontro de Lideranças Nacionais, organizado pelo escritório Bonini Guedes na capital paulista. O jurista diz que uso da tecnologia pode minorar o problema, assim como os recursos são usados para disseminação de informações inverídicas.

O ministro do TSE Admar Gonzaga afirmou que as "fake news" não devem ser o principal problema da eleição. "Não me preocupa a questão da fake news, eu acho que isso vai acabar se resolvendo com tecnologia", disse. Para ele, o controle ficará a cargo do cidadão. "Isso sempre existiu e nós, cidadãos deste mundo moderno que mal começou, nessa novação ambiência, vamos ter que nos acostumar a nos defender desse tipo de ataque."

Liberdade de expressão

O controle da Justiça Eleitoral sobre as fake news pode esbarrar na liberdade de expressão dos cidadãos. "Eu não acredito que a liberdade de expressão seja a todo custo que nós devemos observar sem qualquer exceção", afirmou Ribeiro. "Deve haver controle estatal, embora esse controle sempre será ineficiente. Não vai conseguir cortar o problema. Vai conseguir minorar, talvez", disse.

O estrategista político americano Arick Wierson - que trabalhou para o ex-prefeito de Nova York Michael Bloomberg - afirmou que o uso das "fake news" é uma realidade consolidada nas eleições no Brasil e no mundo todo. "Só vai crescer", apontou.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também