Investigação contra black blocs termina sem acusar ninguém

Uma força-tarefa do Departamento Estadual de Investigações Criminais colheu cerca de 300 depoimentos e ninguém foi acusado

São Paulo - A investigação aberta para apurar a relação entre o Movimento Passe Livre (MPL) e manifestantes adeptos das chamadas "táticas black bloc" em atos dos anos de 2013 e 2014 foi concluída sem indiciar ninguém, segundo informou reportagem do jornal Folha de S.Paulo.

O indiciamento é a prerrogativa policial para apontar indícios de culpa e pedir a responsabilização de suspeitos.

Uma força-tarefa do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) colheu cerca de 300 depoimentos, de acordo com o jornal, e intimou ativistas.

Em uma manifestação contra a Copa do Mundo, policiais prenderam dois manifestantes por, supostamente, carregarem um explosivo caseiro. O líquido apreendido ficou aberto, teria evaporado e a perícia foi inconclusiva.

O secretário da Segurança, Alexandre de Moraes, já anunciou que outras investigações estão em andamento sobre o mesmo assunto, mas para suspeitos de depredações nos atos neste ano.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.