Brasil
Acompanhe:

Guedes promete acelerar privatizações em eventual novo governo Bolsonaro

Segundo o ministro, as reformas feitas nos últimos anos, como a da Previdência, do pacto federativo e reformas setoriais garantiram R$ 900 bilhões em investimentos ao País nos próximos dez anos

Guedes: Ele voltou a adotar tom de campanha ao dizer, nesta quarta-feira que a democracia brasileira se fortalece com a presença de uma aliança liberal-conservadora após 30 anos de social democracia (Adriano Machado/Reuters)

Guedes: Ele voltou a adotar tom de campanha ao dizer, nesta quarta-feira que a democracia brasileira se fortalece com a presença de uma aliança liberal-conservadora após 30 anos de social democracia (Adriano Machado/Reuters)

E
Estadão Conteúdo

14 de setembro de 2022, 19h03

O ministro da Economia, Paulo Guedes, prometeu para um eventual próximo governo do presidente Jair Bolsonaro (PL) acelerar privatizações, abrir mais a economia e reindustrializar o Brasil com base em energia barata e renovável. As afirmações foram feitas durante premiação da Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior (Funcex), nesta quarta-feira, em um hotel da Zona Sul do Rio de Janeiro. Guedes recebeu o prêmio de Personalidade do Ano do Comércio Exterior.

Segundo o ministro, as reformas feitas nos últimos anos, como a da Previdência, do pacto federativo e reformas setoriais, como marco do saneamento, no setor de energia, 5G, cabotagem, garantiram R$ 900 bilhões em investimentos ao País nos próximos dez anos. "Isso é R$ 90 bilhões ao ano sem considerar os bônus de assinatura", disse Guedes.

Assine a newsletter gratuita da EXAME e receba, diariamente pela manhã, um resumo das notícias mais importantes no seu e-mail

Ele voltou a adotar tom de campanha ao dizer, nesta quarta-feira que a democracia brasileira se fortalece com a presença de uma aliança liberal-conservadora após 30 anos de social democracia. Nesse período, disse Guedes, o Brasil foi um "democrata saci-pererê, que pulava só com a perna esquerda". "Sempre fico muito seguro da resiliência do Brasil, da capacidade da nossa democracia de absorver choques. Estamos mais fortes, porque antes só tínhamos uma perna. O Brasil era o democrata saci-pererê, que só pulava com a perna esquerda. Agora temos os conservadores, os liberais, após 30 anos de social democracia".

Como disse pela manhã na Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ), Guedes afirmou que o País já conhece o programa da candidatura Bolsonaro e que, após 40 anos de expansão de gastos, era preciso caminhar em outra direção, o que teria sido inaugurado no atual governo.

Em longo elogio ao governo federal, ele destacou que o Brasil foi dos países que mais vacinou contra a Covid-19, manteve os gastos controlados, pagou despesas e tem preservado empregos. "Estamos criando mais de 700 mil empregos por mês, o dobro dos EUA. O Brasil estava de joelhos quando chegamos, antes da pandemia", comparou.

Ao abordar um dos calcanhares de Aquiles do governo Bolsonaro, a condução da pandemia, Guedes disse que não faltou recursos para a Saúde, com aumento dos repasses para o setor de 19% para 26,5% durante a crise.

O ministro fez, ainda, um 'mea culpa' sobre o controle crescente do orçamento pelo Congresso Nacional. "Quem manda não é o ministro do planejamento, mas a política. O Brasil crescia mais quando não tinha ministério do planejamento", disse Guedes

Na premiação da Funcex, também foi agraciado o diretor-presidente da Vale, Eduardo Bartolomeo, na categoria principal. Estavam presentes na cerimônia o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio Mello e a presidente da Caixa, Daniela Marques.

LEIA TAMBÉM: 

Ciro Gomes critica autonomia do Banco Central

Simone Tebet defende parcerias para investimento em educação