A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Grupo da reforma política deve ter 2 petistas, diz Alves

Criação do grupo foi adiada por causa de um "curto-circuito" dentro do partido, pois os deputados Vaccarezza e Henrique disputavam a vaga

Brasília - O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), disse nesta segunda-feira que o PT deverá ter dois representantes no grupo de trabalho que fará num prazo de 90 dias uma nova proposta de reforma política. A criação do grupo, inicialmente prevista para a semana passada, foi adiada por causa de um "curto-circuito" dentro do partido, pois os deputados Cândido Vaccarezza (SP) e Henrique Fontana (RS) disputavam a vaga da legenda no grupo.

Alves defendeu que Vaccarezza seja o coordenador do grupo de trabalho e que Fontana seja indicado pela sigla. "(O PT) é o único partido que, por ser o maior (da Câmara), terá dois lugares nesse grupo. Terá o representante da bancada, que eu espero que seja o Henrique Fontana, que deve interpretar o pensamento e as propostas do partido. Eu convidei o Vaccarezza para coordenar", disse o presidente da Câmara.

Alves afirmou que o deputado do PT de São Paulo não será um porta-voz das posições da agremiação sobre a reforma política e sim um coordenador de trabalhos e mediador. "Eu quero que haja um coordenador, que não vai exprimir as ideias do partido, mas coordenar as tarefas, marcar as audiências e dirimir conflitos."

Como justificativa, o presidente da Casa argumentou que Vaccarezza tem um bom trânsito com todos os partidos da Câmara. Alves reiterou que espera instalar o grupo nesta terça-feira, 16, e que aguarda uma resposta do PT sobre se aceita ou não o modelo proposto, com dois representantes. O deputado de São Paulo é aliado de Alves, que trabalhou para que ele se tornasse presidente da Casa em 2011, mas, numa eleição interna no partido, o deputado Marco Maia (RS) venceu a disputa.

Vaccarezza comanda uma ala da legenda mais afinada com o PMDB. Nas disputas petistas, ele, que já foi líder da sigla e do governo, costuma ser acusado pelos adversários de trabalhar contra o plebiscito sugerido pela presidente Dilma Rousseff para a reforma política. Os partidários de Vaccarezza afirmam que Fontana é desde 2011 o relator de uma comissão da reforma política e que nunca conseguiu fazer a proposta andar por ser "inflexível".

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também