ARGENTINA x MÉXICO:

Seleções fazem jogo decisivo! Acompanhe lance a lanceVeja agora.

Greve prejudica transporte público em Osasco e Diadema

Pelo segundo dia seguido, o transporte coletivo nas cidades está prejudicado pela greve de rodoviários

	Ônibus: apenas 30 dos 177 ônibus da frota estão circulando
 (Divulgação/Facebook/Urubupungá)
Ônibus: apenas 30 dos 177 ônibus da frota estão circulando (Divulgação/Facebook/Urubupungá)
M
Marli MoreiraPublicado em 23/05/2014 às 11:48.

São Paulo - Pelo segundo dia seguido, o transporte coletivo nas cidades de Osasco e Diadema, região metropolitana de São Paulo, está prejudicado pela greve de motoristas e cobradores de ônibus.

Em Osasco, a zona sul do município é a mais prejudicada com a paralisação dos trabalhadores da Viação Osasco.

De acordo com a Companhia Municipal de Transportes apenas 30 dos 177 ônibus da frota estão circulando.

Além da Viação Osasco, o movimento grevista atinge a empresa Urubupungá, que tem 170 ônibus para atender aos moradores da zona norte.

A situação nessa região da cidade é um pouco melhor, pois mais da metade da frota (60%) está nas ruas.

Em Diadema, os 116 veículos da Viação MobiBrasil não saíram da garagem.

A empresa transporta 35 mil pessoas por dia no município.

A prefeitura informou que a viação Benfica, outra empresa que divide com a Mobibrasil o transporte no município, disponibilizou 37 carros para atender alguns bairros que estão sem transporte.

Além dos municípios, a greve em Osasco e Diadema também afeta o transporte intermunicipal.

De acordo com a Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo (EMTU/SP), em média, essas empresas transportam em torno de 80 mil passageiros nos deslocamentos intermunicipais.

Segundo a empresa MobiBrasil, um acordo foi fechado com o sindicato dos motoristas e aprovado em assembléia na semana passada.

O acordo prevê reajuste de 8% nos salários, 8% no vale-refeição, R$ 400 de participação nos lucros e resultados e plano de saúde integral.

A empresa informa ainda que a paralisação é responsabilidade de um grupo dissidente do sindicato e, em função disso, aguarda uma decisão da Justiça do Trabalho sobre o movimento grevista.