Acompanhe:

Governo pode leiloar Ferrogrão em 2022, diz ministro

Um grande grupo empresarial já teria planos de investimento para a ferrovia que deve ligar o cinturão da soja do Brasil aos portos do Norte

Modo escuro

Continua após a publicidade
Ministro Tarcísio de Freitas: Ferrogrão pode ser licitada em 2022 (Eduardo Frazão/Exame)

Ministro Tarcísio de Freitas: Ferrogrão pode ser licitada em 2022 (Eduardo Frazão/Exame)

B
Bloomberg

Publicado em 16 de novembro de 2021 às, 11h28.

Última atualização em 16 de novembro de 2021 às, 11h59.

O Brasil poderia leiloar a polêmica Ferrogrão no ano que vem, depois que obstáculos legais forem resolvidos, segundo o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas.

Um grande grupo empresarial já tem planos de investimento para a ferrovia que ligaria o cinturão da soja do Brasil aos portos do Norte para embarcar o os grãos para a Ásia, disse o ministro. A construção do projeto, com quase 1.000 quilômetros, foi suspensa pelo Supremo Tribunal Federal devido ao risco de desmatamento na região.

  • Fique por dentro das principais notícias do Brasil e do mundo. Assine a EXAME

“A questão judicial é fácil de resolver”, disse Freitas em entrevista em Madri durante um roadshow de aeroportos, portos e rodovias. A venda da concessão da ferrovia, com investimento previsto de R$ 25,2 bilhões, “pode ser que saia o ano que vem, mas a grande questão é que vai sair, vai acontecer, é uma necessidade para o Brasil”, disse.

A Ferrogrão é um ponto de tensão entre ativistas globais e o governo do presidente Jair Bolsonaro. Ambientalistas alertam que o projeto pode agravar ainda mais a destruição da Amazônia ao incentivar o desenvolvimento de terras e colocar em risco comunidades indígenas nos arredores. O governo diz que a ferrovia vai impulsionar um dos principais setores de exportação agrícola do mundo e que o impacto ambiental será limitado.

A ferrovia será construída a 40 metros de uma rodovia existente, o que minimizaria os danos ambientais, disse Freitas. O ministro acrescentou que o projeto substituirá caminhões carregados com grãos que liberam um milhão de toneladas de dióxido de carbono por ano. Também disse que a ferrovia não vai invadir nenhuma terra indígena.

Segundo Freitas, as alegações de destruição ambiental decorrem de uma guerra comercial internacional com o objetivo de prejudicar o setor agrícola do Brasil, um dos maiores produtores mundiais de grãos e carne. Acabar com o projeto ferroviário tornaria o país menos competitivo em relação a outros grandes produtores das chamadas soft commodities, como soja, café e açúcar.

“Quando a Ferrogrão entrar em operação, vamos ter uma redução de tarifa de 40%, e isso assusta muita gente”, disse Freitas. “E aí, para destruir a Ferrogrão, eles ficam batendo na questão do meio ambiente.”

Últimas Notícias

Ver mais
Apoiadores de Bolsonaro se reúnem em ato na Av. Paulista
Brasil

Apoiadores de Bolsonaro se reúnem em ato na Av. Paulista

Há 3 horas

Antes de ato na Paulista, petistas lembram 8/1 e dizem que Bolsonaro 'cometeu muitos crimes'
Brasil

Antes de ato na Paulista, petistas lembram 8/1 e dizem que Bolsonaro 'cometeu muitos crimes'

Há 3 horas

Apoiadores de Bolsonaro fazem ato com pedido de impeachment de Lula e bandeira de Israel
Brasil

Apoiadores de Bolsonaro fazem ato com pedido de impeachment de Lula e bandeira de Israel

Há 3 horas

Governo vai enviar vacinas contra dengue para mais 29 municípios
Brasil

Governo vai enviar vacinas contra dengue para mais 29 municípios

Há 3 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais