• AALR3 R$ 19,75 0.00
  • AAPL34 R$ 74,65 1.01
  • ABCB4 R$ 16,47 -0.42
  • ABEV3 R$ 14,75 1.44
  • AERI3 R$ 4,44 18.40
  • AESB3 R$ 10,73 0.85
  • AGRO3 R$ 31,86 -0.62
  • ALPA4 R$ 21,68 -0.55
  • ALSO3 R$ 19,94 1.27
  • ALUP11 R$ 26,32 0.27
  • AMAR3 R$ 2,40 7.62
  • AMBP3 R$ 29,41 -1.14
  • AMER3 R$ 23,70 2.82
  • AMZO34 R$ 73,23 1.29
  • ANIM3 R$ 5,56 3.35
  • ARZZ3 R$ 82,92 0.52
  • ASAI3 R$ 15,36 -0.78
  • AZUL4 R$ 21,17 2.37
  • B3SA3 R$ 11,30 -1.48
  • BBAS3 R$ 35,58 1.34
  • AALR3 R$ 19,75 0.00
  • AAPL34 R$ 74,65 1.01
  • ABCB4 R$ 16,47 -0.42
  • ABEV3 R$ 14,75 1.44
  • AERI3 R$ 4,44 18.40
  • AESB3 R$ 10,73 0.85
  • AGRO3 R$ 31,86 -0.62
  • ALPA4 R$ 21,68 -0.55
  • ALSO3 R$ 19,94 1.27
  • ALUP11 R$ 26,32 0.27
  • AMAR3 R$ 2,40 7.62
  • AMBP3 R$ 29,41 -1.14
  • AMER3 R$ 23,70 2.82
  • AMZO34 R$ 73,23 1.29
  • ANIM3 R$ 5,56 3.35
  • ARZZ3 R$ 82,92 0.52
  • ASAI3 R$ 15,36 -0.78
  • AZUL4 R$ 21,17 2.37
  • B3SA3 R$ 11,30 -1.48
  • BBAS3 R$ 35,58 1.34
Abra sua conta no BTG

Governo não exigirá receita médica para vacinar crianças de 5 a 11 anos

A vacinação desse público será feita em ordem decrescente de idade e começará pelas crianças com comorbidade ou deficiência permanente, anunciou o Ministério da Saúde
 (Reuters/Clodagh Kilcoyne)
(Reuters/Clodagh Kilcoyne)
Por Alessandra AzevedoPublicado em 05/01/2022 17:58 | Última atualização em 05/01/2022 18:00Tempo de Leitura: 3 min de leitura

O Ministério da Saúde anunciou nesta quarta-feira, 5, que não exigirá prescrição médica para a vacinação de crianças de 5 a 11 anos contra a covid-19, medida que era defendida pelo presidente Jair Bolsonaro. A imunização não será obrigatória. As doses pediátricas da Pfizer devem começar a chegar ao Brasil ainda em janeiro.

  • Quer saber tudo sobre o desenvolvimento e eficácia de vacinas contra a covid-19? Assine a EXAME e fique por dentro.

A vacinação desse público será feita em ordem decrescente de idade e começará pelas crianças com comorbidade ou deficiência permanente. Será cobrada uma autorização por escrito apenas quando não houver pai, mãe ou responsável presente na hora da vacinação.

O intervalo entre a primeira dose e a segunda será de oito semanas, informou o ministério. A pasta desistiu de obrigar a prescrição médica para que as crianças sejam vacinadas, mas orienta que os pais "procurem a recomendação prévia de um médico antes da imunização".

O ministério anunciou que já encomendou 20 milhões de vacinas pediátricas da Pfizer para entrega no primeiro trimestre do ano. A estimativa da pasta é que, até o fim de janeiro, 3,7 milhões de doses cheguem ao país. Hoje, no Brasil, há 20,4 milhões de crianças de 5 a 11 anos, o que significa que seriam necessárias mais de 40 milhões de doses para vacinar todo esse público com as duas doses.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que é preciso observar a adesão à vacinação de crianças para saber quantas doses serão suficientes. "Não sabemos ainda qual será a taxa de adesão dos pais a essa vacinação, e os pedidos dependem dessa velocidade da vacinação e da capacidade de entrega das vacinas pela indústria", disse.

Queiroga ressaltou que a vacina pediátrica, aplicada em dose menor do que a dos adultos, já foi aprovada por agências sanitárias, como a FDA (dos Estados Unidos), a Agência Europeia de Medicamentos e, recentemente, pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A Anvisa autorizou o uso da vacina pediátrica da Pfizer no público de 5 a 11 anos em 16 de dezembro. O governo, entretanto, resistia à aplicação sem receita médica. O Ministério da Saúde fez uma consulta pública cujo resultado mostrou que a maioria das pessoas é contra a necessidade de prescrição.

"A todos aqueles que quiserem vacinar seus filhos, o Ministério da Saúde irá garantir doses da vacina", disse Queiroga, nesta quarta. Segundo o ministério, foram registrados 324,5 mil casos de covid-19 em crianças de 5 a 11 anos em 2021 e 243 mil casos nessa faixa etária em 2020.