Brasil

Governo argentino envia lista de 62 foragidos do 8 de janeiro; 13 deles já saíram do país

Comunicado foi recebido pelo Itamaraty e remetido ao STF

Itamaraty recebe lista de brasileiros foragidos por atos antidemocráticos, início do processo de extradição. (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Itamaraty recebe lista de brasileiros foragidos por atos antidemocráticos, início do processo de extradição. (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 19 de junho de 2024 às 20h50.

Tudo sobreSupremo Tribunal Federal (STF)
Saiba mais

O Itamaraty recebeu do governo da Argentina uma lista de 62 brasileiros investigados pelos atos antidemocráticos de 8 de janeiro que entraram no país vizinho. Segundo o informe, 13 deles já saíram da Argentina e um teve a entrada recusada.

Colaboração entre governos

O documento atende a uma resposta do governo brasileiro sobre a situação de 143 foragidos dos atos golpistas. O ofício foi enviado ao Supremo Tribunal Federal nesta terça-feira.

No início de junho, a Polícia Federal deflagrou uma operação para prender pessoas envolvidas nos ataques que “se furtaram da aplicação da lei penal". As investigações apontaram que boa parte delas fugiu para a Argentina, Uruguai e Paraguai.

Refúgio e migração

A maioria não passou pelas barreiras migratórias, mas uma parte pediu refúgio ao governo argentino. A partir desses dados, o departamento de migração elaborou este informe ao Itamaraty.

Pedido de extradição

Com a comunicação do governo argentino, inicia-se o processo do pedido de extradição desses foragidos pelas autoridades brasileiras. A solicitação deve ser feita pela Polícia Federal.

Negativa de pacto de impunidade

Nesta quarta, o porta-voz da Presidência da Argentina, Manuel Adorni, negou a existência de um "pacto de impunidade" entre o presidente Javier Milei e o ex-mandatário Jair Bolsonaro (PL), para garantir asilo político aos condenados ou investigados por participação nos atos antidemocráticos.

— Claramente não fazemos pacto de impunidade com absolutamente ninguém. Você se referiu ao Bolsonaro, não, não fazemos pactos de impunidade, nem jamais faremos com ninguém. E, por outro lado, é efetivamente uma questão judicial. A justiça tomará as medidas correspondentes quando chegar a hora de tomá-las e nós as respeitaremos como respeitamos cada decisão judicial —, respondeu o porta-voz ao ser questionado por jornalistas durante uma coletiva.

Acompanhe tudo sobre:ArgentinaSupremo Tribunal Federal (STF)Itamaraty

Mais de Brasil

Governo e Senado pedem ao STF prorrogação de prazo de acordo sobre desoneração da folha

Lula diz que proposta de segurança do governo será elaborada com 27 governadores

Aeroporto de Porto Alegre será reaberto em outubro com 50 voos diários, diz ministro

Governo Lula é ruim ou péssimo para 44,2% e bom ou ótimo para 37,7%, aponta pesquisa Futura

Mais na Exame