Brasil

Gonçalves Dias, do GSI, não vai à Câmara e deve ser convocado na próxima quarta-feira

Ministro do GSI não compareceu à fala agendada em comissão nesta quarta-feira, 19, devido a um problema de saúde. Com a ausência, deve ser convocado na semana que vem, com presença obrigatória

Izael Pereira
Izael Pereira

Reporter colaborador, em Brasília

Publicado em 19 de abril de 2023 às 16h00.

Última atualização em 19 de abril de 2023 às 16h35.

Após a ausência do ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Marco Edson Gonçalves Dias, à Comissão de Segurança Pública da Câmara dos Deputados, nesta quarta-feira,19, o colegiado pretende agora aprovar um pedido de convocação, que obriga o comparecimento.

Gonçalves Dias havia sido convidado para ir à Câmara para falar sobre os atos golpistas de 8 de janeiro. A sessão estava marcada para às 14 horas. Meia hora antes do início da sessão, o general enviou um atestado médico à presidência da Comissão.

O presidente do colegiado, deputado Ubiratan Sanderson (PL-RS), disse que, agora, o ministro será convocado a comparecer na sessão do colegiado na próxima quarta-feira, 26, “sob o regime de convocação e nesse regime explicar sobre tudo o que os parlamentares querem ouvir do 8 de janeiro, e agora potencializada com os vídeos que foram divulgado [pela CNN]”.

Gonçalves Dias: ministro do GSI deve ser convocado para falar em comissão na próxima semana (José Cruz/Agência Brasil)

Diferentemente do convite, o pedido de convocação obriga o comparecimento ao colegiado.

Na manhã desta quinta-feira, a CNN Brasil divulgou imagens que mostram o ministro e colaboradores do GSI no Palácio do Planalto durante a invasão do prédio no dia 8 de janeiro.

Imagens de Gonçalves Dias

Com a revelação das imagens, o presidente da comissão disse que, em sua opinião, “está muito clara a contribuição do ministro com esses criminosos". "Aqueles que invadiram deveriam ser tratados como criminosos, e não foram tratados. Foram tratados eu diria, até com um total assessoramento do ministro chefe do GSI”, criticou.

Sanderson disse também que é preciso saber se as ações do ministro e dos colaboradores no dia da invasão “eram de conhecimento do presidente da República ou não". "Certamente ele deverá responder de acordo com a convocação que nós faremos hoje na Comissão de Segurança Pública”.

Ele ressaltou, ainda, que as imagens já haviam sido solicitadas pela CPI do Distrito Federal e foram negadas. “O GSI não apresentou esses vídeos, e hoje a imprensa está divulgando. Têm muitas coisas a serem explicada”, disse.

Sobre a possibilidade de renúncia de Gonçalves Dias, Sanderson avaliou que seria quase como uma confissão de culpa. “Não quero fazer juízo de valor antecipado, mas ele estaria atestando culpa se renunciasse. E vai estar muito clara a fuga dele falar para a comissão e para o parlamento em geral”.

Acompanhe tudo sobre:Câmara dos DeputadosGoverno Lula

Mais de Brasil

Governo cria sistema de emissão de carteira nacional da pessoa com TEA

Governo de SP usará drones para estimar número de morte de peixes após contaminação de rios

8/1: Dobra número de investigados por atos golpistas que pediram refúgio na Argentina, estima PF

PEC que anistia partidos só deve ser votada em agosto no Senado

Mais na Exame