Furacão provoca paralisação de 11% da produção de petróleo do Golfo do México

Segundo o comunicado, a BSEE trabalha com operadores offshore e outras agências estaduais e federais até que as operações voltem ao normal
As plataformas de produção são as estruturas offshore a partir das quais o petróleo e o gás natural são produzidos e transportados para a costa (Tribune News/Getty Images)
As plataformas de produção são as estruturas offshore a partir das quais o petróleo e o gás natural são produzidos e transportados para a costa (Tribune News/Getty Images)
A
AFP

Publicado em 27/09/2022 às 18:08.

Última atualização em 27/09/2022 às 18:27.

Aproximadamente 11% da produção atual de petróleo e 8,56% da produção de gás natural no Golfo do México foram paralisadas por causa do furacão Ian, informou nesta terça-feira, 27, a Agência de Segurança e Fiscalização Ambiental (BSEE, na sigla em inglês) dos Estados Unidos, em Nova Orleans.

O trabalho da agência envolve o monitoramento de plataformas offshore de petróleo e gás no local, enquanto ocorre um processo de evacuação dos locais por causa da tempestade.

Segundo o comunicado, a BSEE trabalha com operadores offshore e outras agências estaduais e federais até que as operações voltem ao normal e a tempestade não seja mais uma ameaça.

Com base nos dados dos relatórios dos operadores hoje, ocorreu a evacuação de um total de 12 plataformas de produção, o que representa 2,3% das 521 plataformas tripuladas no Golfo do México.

As plataformas de produção são as estruturas offshore a partir das quais o petróleo e o gás natural são produzidos e transportados para a costa.

Ao contrário das sondas de perfuração, que normalmente se deslocam de um local para outro, as instalações de produção permanecem no mesmo local durante todo o projeto.

Veja também:

Vazamentos de gás do Nord Stream pode ser ação deliberada, dizem analistas

Satélites mostram filas de até 16 km para fugir da Rússia para Geórgia e Mongólia