"Fujões" tinham se comprometido em deixar Coaf com Moro, diz Joice

Comissão tirou o Coaf do Ministério da Justiça e Segurança Pública, comandado por Moro, e transferiu para o Ministério da Economia

Brasília — A líder do governo no Congresso, deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), disse que houve um acordo entre alguns partidos para que o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) fosse retirado do Ministério da Justiça e transferido para o Ministério da Economia, na votação do texto da medida provisória 870, que trata sobre a reforma administrativa do governo de Jair Bolsonaro, nesta quinta-feira (9).

Foram 14 votos contra 11 para a mudança. O texto ainda precisa passar pelos plenários da Câmara e do Senado. Parlamentares do Centrão e da oposição se juntaram para tirar o Coaf das mãos do ministro da Justiça, Sérgio Moro, e se articularam para impor uma derrota ao governo.

Assinaram o requerimento que devolve o órgão para o Ministério da Economia líderes de PT, PRB, PTB, PP, MDB, Pode, PSC, DEM, PR, Solidariedade e Patriotas.

"Vencemos na MP. Em relação ao Coaf, tivemos ali alguns fujões, alguns que tinham se comprometido a votar e saíram correndo", disse.

"Estranhamente mudaram de ideia de ontem (quarta) à noite pra hoje", afirmou. Ela ressaltou que alguns partidos trocaram de membros na comissão também.

"Foi uma manobra que foi feita, eu não consigo entender por que tanto temor assim do Coaf nas mãos do ministro Sérgio Moro uma vez que quando você está tratando de investigação, você interligaria todos esses órgãos de investigação", afirmou. "Esse temor excessivo me deixa com a pulga atrás da orelha", completou.

A comissão de deputados e senadores que analisa a medida provisória da reforma ministerial tirou o Coaf do Ministério da Justiça e Segurança Pública, comandado por Moro.

A deputada disse ainda que há um clamor popular para que o Coaf fique com o ex-juiz e citou que o assunto era um dos temas mais comentados no Twitter na quarta-feira. Ela disse ainda que é cedo para dizer sobre como o governo deverá se comportar no Plenário sobre a MP.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.