Fluminense rebate vídeo homofóbico de vascaíno:“Sexualidade é diversidade"

O jogador Fellipe Bastos gravou um vídeo com provocações homofóbicas ao Fluminense, que rebateu o material com um manifesto contra a homofobia
 (Alexandre Loureiro/Getty Images)
(Alexandre Loureiro/Getty Images)
D
Da Redação com agências de notícias

Publicado em 18/02/2019 às 16:20.

Última atualização em 19/02/2019 às 11:04.

Rio — O Fluminense publicou nota oficial nesta segunda-feira para repudiar a provocação de cunho homofóbico de um jogador do Vasco. Após a conquista da Taça Guanabara, neste domingo, com a vitória por 1 a 0 no Maracanã, o volante alvinegro Fellipe Bastos gravou um vídeo com provocações ao time tricolor, que rebateu o material com um manifesto contra a homofobia.

Reserva do Vasco, Bastos foi à cerimônia de premiação e gravou um vídeo ao lado de um funcionário do clube em que xingou o Fluminense. "Série C do c... Vai tomar no c... Time de v...Time de v...", cantou o jogador. O material se espalhou rapidamente pelas redes sociais e levou a diretoria do Fluminense a divulgar na manhã desta segunda-feira uma nota.

O clube tricolor afirmou que a manifestação do jogador diminui a vitória vascaína e cobrou respeito à população LGBT do Brasil. "Sexualidade é diversidade. A intolerância não pode ter mais espaço na nossa sociedade. O Fluminense é um #TimeDeTodos, como todo clube deveria ser. E lamenta que alguns ainda deem lugar para o preconceito", escreveu.

"O Fluminense entende que uma vitória seguida de homofobia é uma derrota para o esporte. Para a sociedade. E o país onde mais se assassina LGBTs no mundo não pode deixar uma demonstração tão clara de preconceito morrer. Por respeito. Por justiça. Por humanidade. O Fluminense, assim como todo clube de futebol, é feito de homens e mulheres de várias cores, condições sociais, sexualidades. E tem muito orgulho de cada um de seus torcedores. Por isso faz questão de afirmar, quantas vezes for necessária, que é um #timedetodos", disse o clube, em comunicado.

A final da Taça Guanabara foi marcada por confusões entre as duas diretorias. A divisão de setores no Maracanã causou briga nos bastidores e indefinição para a torcida. Com bastante confusão do lado de fora do estádio, os torcedores só puderam entrar no local com cerca de 30 minutos do primeiro tempo.

O Vasco se pronunciou sobre o episódio e afirmou que repudia "todo e qualquer tipo de preconceito".

O jogador se desculpou por meio de uma rede social e afirmou que nunca teve a "intenção de ofender ninguém". Confira: