Fiocruz indica tendência de melhora na ocupação de leitos de UTI por covid

A divergência entre o aumento nos registros de novos casos e a diminuição da mortalidade é explicada pelo avanço da vacinação contra a covid-19 no Brasil

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) divulgou nesta quinta-feira, 1º, uma pesquisa que destaca a tendência de melhora na taxa de ocupação de leitos de UTI Covid-19 para adultos no sistema público de saúde. A nova edição do Boletim Observatório Covid-19 Fiocruz, que informa a evolução da doença no Brasil, foi apurado entre os dias 20 e 26 de junho.

  • Quer saber tudo sobre o ritmo da vacinação contra a covid-19 no Brasil e no Mundo? Assine a EXAME e fique por dentro.

O estudo sinaliza uma queda nos índices de mortalidade. Porém, os pesquisadores destacam que o país enfrenta um alto platô de transmissão, em patamar muito superior ao observado em 2020. O número de casos oscilou pouco, com queda de 0,2% ao dia, enquanto o de óbitos teve queda de 2,5% ao dia.

“É importante confrontar o comportamento das taxas de ocupação de leitos de UTI com os indicadores de incidência e mortalidade por Covid-19 nos estados e no Distrito Federal e buscar entender eventuais movimentações divergentes”, dizem os pesquisadores.

A divergência entre o aumento nos registros de novos casos e a diminuição da mortalidade é explicada pelo avanço da vacinação no país. Até esta quarta-feira, 30, o Brasil já vacinou 34,74% da população com ao menos com a 1ª dose contra a covid-19. Entre eles, 12,41% receberam a segunda dose e foram totalmente imunizados.

Apenas três estados apresentam taxas de ocupação de leitos iguais ou superiores a 90%: Tocantins, Paraná e Santa Catarina.

Outros quinze estados estão na zona de alerta intermediário, com índices variando entre 60% e 80%: Amazonas, Mato Grosso, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo.

Fora da zona de alerta, com ocupação de leitos de UTI inferior a 60% estão: Rondônia, Acre, Amapá e Paraíba.

Fiocruz aponta tendência de melhora na ocupação de leitos de UTI para covid

Desde abril a curva de óbitos está em uma trajetória descendente. O Brasil passou a registrar cerca de 2 mil mortes diárias, o que ainda é um valor considerado muito alto e segundo o estudo, não permite afirmar que haja qualquer controle da pandemia no Brasil. A taxa de letalidade registrou uma pequena queda e agora é de 2,4 %.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também