Fifa pede substituição imediata de Teixeira em comitê

Com 24 membros e presidido por Joseph Blatter, o Comitê Executivo da Fifa se reúne na próxima semana em Zurique

Genebra - A Fifa disse nesta terça-feira que Ricardo Teixeira deve ser substituído "imediatamente" no seu comitê executivo pela Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol). O brasileiro renunciou ao seu cargo na Fifa por "motivos pessoais" sem dar mais detalhes na segunda-feira, uma semana depois de deixar a presidência da CBF e do Comitê Organizador da Copa do Mundo de 2014.

Nesta terça-feira, a Fifa disse que seu estatuto exige que a Conmebol tome uma ação rapidamente. "A Conmebol terá agora de decidir imediatamente sobre a substituição de Ricardo Teixeira como um dos seus representantes no Comitê Executivo da Fifa para o período remanescente do mandato", anunciou a Fifa em um comunicado.

Com 24 membros e presidido por Joseph Blatter, o Comitê Executivo da Fifa se reúne na próxima semana em Zurique, mas já era esperado que Teixeira não comparecesse. O brasileiro ficou em situação complicada na entidade após Blatter declarar que desejava publicar documentos sobre escândalo da década de 1990 em que a ISL teria pago suborno a dirigentes, incluindo Teixeira.

Presente no Comitê Executivo da Fifa desde 1994, Teixeira tinha mais dois anos de mandato como um dos representantes sul-americanos. A Conmebol tem três assentos no painel, sendo que, tradicionalmente, um é destinado ao futebol brasileiro e outro ao argentino. A Conmebol pode enviar um substituto interino para a reunião em Zurique, marcada para os dias 29 e 30 de março, até que uma eleição seja realizada.

O Comitê Executivo da Fifa já tem um membro interino e um assento vago. O chinês Zhang Jilong está substituindo Mohamed bin Hammam, que era presidente da Confederação Asiática de Futebol e foi bandido por toda a vida no ano passado, mas só poderá ser formalmente trocado após a avaliação do seu recurso na Corte Arbitral do Esporte. Além disso, ainda não foi indicado um substituto para Jack Warner, ex-presidente da Concacaf, que deixou todos seu cargos no futebol para evitar uma investigação no escândalo de suborno na eleição presidencial que envolveu Bin Hammam.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.