Fábio Faria toma posse hoje como ministro das Comunicações

Genro de Silvio Santos, o deputado federal ligado ao Centrão tentará pacificar a relação do Planalto com o Congresso

O novo ministro das Comunicações, o deputado Fábio Faria (PSD-RN), toma posse nesta quarta-feira, 17, em meio a preocupações e resistências de aliados do presidente Jair Bolsonaro sobre a decisão de nomear o primeiro nome do centrão para um cargo no primeiro escalão.

Faria assume a função da pasta recém-criada, considerada estratégica pelos governos brasileiros. Ele terá duas missões a cumprir: pacificar a relação do Planalto com o Congresso, que está desgastada, e melhorar o relacionamento do Executivo com imprensa.

Mais do que responder pela mídia institucional, a área sempre foi marcada por ser uma simbiose entre o Planalto, o Congresso e o setor privado de radiodifusão. Entre as atribuições que a empoderam está a de distribuir concessões, outorgas e regulação do setor.

Faria terá nas mãos o comando da Anatel e das estatais Correios, EBC (Empresa Brasil de Comunicação) e Telebras (Telecomunicações Brasileiras). Ficará também sob sua responsabilidade o leilão da oferta do 5G, tecnologia de interesse para o país e que tem reflexos na política externa.

Após questionamentos sobre sua decisão, Bolsonaro disse que a escolha de Faria se deu pela relação com Silvio Santos, dono do SBT, e não por sua aproximação com o Centrão. O novo ministro é casado com a filha do empresário, a apresentadora Patrícia Abravanel.

"Vamos ter alguém que, ele não é profissional do setor, mas tem conhecimento até pela vida que ele tem junto à família do Silvio Santos. A intenção é essa, é utilizar e botar o ministério pra funcionar nessa área que estamos devendo há muito tempo uma melhor informação", disse o presidente recentemente.

No entanto, segundo o jornal o Estado de São Paulo, a intenção de Bolsonaro é tentar impor uma narrativa favorável a ele no momento em que o discurso pró-impeachment começa a ganhar corpo. A escolha de Faria foi elogiada por figuras importantes do Centrão, como o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Ao contrário, ex-aliados de Bolsonaro, como a deputada estadual Janaína Paschoal, questionaram a decisão, já que durante a campanha houve a promessa de que nenhum cargo do primeiro escalão ficaria com o centrão.

Já entre os aliados do presidente, a preocupação é que a recriação do ministério para acomodar um nome tradicional da política aumente o apetite de presidentes e líderes partidários do Centrão a também buscarem suas próprias pastas no governo.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.