• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

EXAME/IDEIA: para 70% dos brasileiros, auxílio deve ser prorrogado

População também não está satisfeita com o aumento do salário mínimo; 96% dos brasileiros consideram o atual valor, de 1.100 reais, insuficiente
Beneficiários do auxílio emergencial na Caixa: 70% dos brasileiros são favoráveis à manutenção do benefício (FuturaPress/Wagner Souza)
Beneficiários do auxílio emergencial na Caixa: 70% dos brasileiros são favoráveis à manutenção do benefício (FuturaPress/Wagner Souza)
Por Carla AranhaPublicado em 15/01/2021 08:02 | Última atualização em 15/01/2021 06:04Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Se há um consenso geral entre os brasileiros, é que o auxílio emergencial deve ser prorrogado neste ano. É o que afirmam 70% dos entrevistados na última pesquisa EXAME/IDEIA, projeto que une Exame Research, braço de análise de investimentos da EXAME, e o IDEIA, instituto de pesquisa especializado em opinião pública. O levantamento, inédito, também mostra que apenas 26% dos brasileiros são contrários à continuidade do auxílio e 4% não souberam opinar.

A pesquisa foi realizada com 1.200 pessoas entre os dias 11 e 14 de janeiro. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos.

As duas regiões com maior número de pessoas que apoiam a medida são o Norte e Nordeste. Entre aqueles que moram na região Norte, 74% defendem a prorrogação do auxílio. Já entre os que vivem no Nordeste 73% são favoráveis à medida. Ambas as regiões foram as que mais receberam o auxílio no ano passado.

EXAME IDEIA Pesquisa Auxilio e salario minimo

(Arte)

Com o fim do benefício, a massa salarial dos moradores do Norte e Nordeste deve cair quase 10% neste ano ano, segundo a consultoria Tendências. O pagamento do benefício proporcionou em 2020 um aumento de 2,8% da massa salarial ampliada dos brasileiros, que incluí salários e benefícios sociais do governo, de acordo com um estudo do banco Santander.

O apelo pela continuidade do benefício é maior entre a população mais vulnerável: 77% dos que ganham até um salário mínimo e 78% dos que não conseguiram completar o ensino fundamental defendem a extensão do auxílio.

Os que apoiam o governo Bolsonaro também são os mais favoráveis à renovação do benefício. Entre os que avaliam o governo como ótimo e bom, 72% concordam com a necessidade da extensão. Já entre os que consideram o governo ruim ou péssimo, 69% apoiam a medida.

O levantamento EXAME/IDEIA também aponta que os grupos de maior renda e escolaridade são os que consideram que o auxílio deve ser suspenso para não afetar a economia do país. Entre os que têm ensino superior, 29% são contra novas parcelas do auxílio. No grupo dos que ganham cinco salários ou mais, 34% também são contrários à extensão.

Salário mínimo

A pesquisa também perguntou como os brasileiros avaliam o aumento do salário mínimo, que passou de 1.045 reais para 1.100 reais no início do mês: 96% dos entrevistados consideram esse valor insuficiente.

"Esse resultado é um indicador da defasagem entre as expectativas de renda da população e o aumento corrente dos preços", diz Maurício Moura, fundador do IDEIA.

A inflação dos alimentos, que atinge em cheio o bolso da população mais pobre, chegou a 11% no ano passado. Neste ano, o aumento no preço internacional das commodities, como o milho e a soja, que servem de ração para o gado e as aves, devem provocar novas remarcações nos supermercados, em um cenário desafiador principalmente para as famílias menos favorecidas economicamente.