Ex-secretário de Saúde do Amazonas contradiz Pazuello em depoimento à CPI

Campêlo contou ter ligado para o ex-ministro no dia 7, para pedir ajuda no transporte de oxigênio, mas Pazuello disse que só soube do problema em 10 de janeiro

Em depoimento à CPI da Covid, nesta terça-feira, 15, o ex-secretário de Saúde do Amazonas, Marcellus Campêlo, disse ter entrado em contato com o Ministério da Saúde em 7 de janeiro para avisar sobre a falta de oxigênio medicinal na capital do estado. A declaração vai de encontro a falas do então ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, que disse à CPI só ter sido comunicado sobre o problema em 10 de janeiro.

Campêlo contou ter ligado para o ex-ministro no dia 7, para pedir ajuda logística no transporte de oxigênio de Belém para Manaus, a pedido da empresa White Martins, fornecedora de oxigênio medicinal. "O fato é que eu liguei para ele no dia 7", reforçou o ex-secretário.

Na conversa, Pazuello teria recomendado que Campêlo procurasse o Comando Militar da Amazônia para lidar com o problema de transporte de oxigênio. “Mandamos ofício ao Comando Militar da Amazônia”, contou Campêlo. Depois disso, a Secretaria de Saúde teria enviado vários ofícios ao ministério, segundo o ex-secretário.

“A partir do dia 9 de janeiro, enviamos diariamente ofício ao Ministério da Saúde, pedindo apoio em relação a essa questão da logística de oxigênio”, disse Campêlo. “No dia 9 de janeiro, quando percebemos que haveria atraso na chegada da primeira balsa prometida pela White Martins, enviamos ofício, e existia agenda do ministro Pazuello em Manaus a partir do dia 10”, contou.

O ofício não foi respondido, assim como os que foram enviados depois. "Não tenho conhecimento se houve resposta. Acredito que não. Não houve resposta, que eu saiba”, disse Campelo. “Como não houve confirmação, enviamos ofício ao Ministério da Saúde via comitê de crise, nos dias 9, 11, 12 e 13 de janeiro", disse o ex-secretário.

No dia 10, Campêlo e Pazuello se falaram pessoalmente, em Manaus. “Foi relatada a preocupação com a White Martins, e o ministro marcou uma reunião no dia seguinte com a White Martins para tratar desse assunto pessoalmente. Foi no dia 11, às 8h da manhã”, disse Campêlo. Segundo o ex-secretário, a empresa explicou a situação, pediu apoio logístico e, a partir de então, o ministro designou o coronel Moura para fazer as tratativas.

O ex-secretário de Saúde também disse que não soube da reunião em que o governo federal teria descartado intervenção federal na saúde do Amazonas. Pazuello afirmou que o governador do estado, Wilson Lima, se reuniu com ministros e com o presidente Jair Bolsonaro para tratar do assunto. "Não tive conhecimento", disse Campêlo.

Campêlo disse também que não teve conhecimento da reunião em que o governo federal descartou uma intervenção federal na saúde do estado. Participaram dela o presidente Jair Bolsonaro, alguns ministros e o governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC). O relator Renan disse não acreditar no ex-secretário.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também