Europa vai proibir entrada de brasileiros por descontrole da covid-19

Critérios da Comissão Europeia incluem barrar turistas de países onde a pandemia está em situações piores do que de membros da UE

Com a iminência da reabertura das fronteiras da Europa em 1º de julho, após relaxamento das medidas de isolamento pela pandemia do novo coronavírus, a União Europeia anunciou que vai estabelecer restrições para a entrada de viajantes “não essenciais” de países onde a covid-19 não está controlada.

De acordo com um comunicado disponível no site da Comissão Europeia, os critérios ainda estão em discussão entre os países-membros do bloco, mas já foi definido que só serão permitidas a entrada de turistas provenientes de regiões onde a situação da covid-19 está igual ou melhor do que a UE.

A princípio, para proibir ou liberar os viajantes serão levados em conta o número de novas infecções no país de origem do turista, a tendência de transmissão do vírus e a resposta do governo daquele país no combate à doença, como política de testes, vigilância, rastreio de contatos, confinamento, tratamento e notificação.

Só com esses limites o Brasil já está automaticamente fora de ter a entrada liberada. Nas últimas semanas, a pandemia só avançou no país e não mostra sinais de se arrefecer.

O país já é o segundo em mais casos confirmados da covid-19, com 700.000 infectados. Só perde para os EUA que já bateu 2 milhões. Em relação às vítimas, que já se aproximam das 40 mil, o Brasil está na terceira posição, mas deve ultrapassar o Reino Unido nos próximos dois dias.

Em declaração publicada no site da Comissão Europeia, a Comissária para os Assuntos Internos, Ylva Johansson, propôs “uma abordagem clara e flexível para eliminar as restrições às viagens para a UE a partir de 1 de julho”.

“Embora todos tenhamos que tomar cuidado, chegou a hora de fazer os preparativos concretos para suspender as restrições com países cuja situação de saúde é semelhante à da UE e para retomar as operações de vistos”.

Apesar das restrições, o comunicado da Comissão diz que elas não serão aplicadas para quem viaja para estudar e para trabalhadores altamente qualificados de fora da UE caso seu emprego seja “necessário do ponto de vista econômico e o trabalho não puder ser adiado ou realizado no exterior”.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Deseja assinar e ter acesso ilimitado?

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.