Estudantes baleados por colega retornam à escola em Goiânia

O recinto que foi palco da tragédia que ceifou a vida de João Pedro Calembro e João Vitor Gomes, de 13 anos, ganhou nova função: será um espaço de artes
Colégio Goyases: a grande expectativa era para o retorno da turma do 8º ano (MARCOS SOUZA/VEJA)
Colégio Goyases: a grande expectativa era para o retorno da turma do 8º ano (MARCOS SOUZA/VEJA)
Por Marilia Noleto, do Estadão ConteúdoPublicado em 31/10/2017 16:35 | Última atualização em 31/10/2017 16:35Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Mais um passo importante para o restabelecimento da rotina escolar no Colégio Goyases, em Goiânia, foi dado nesta terça-feira, 31.

Após o regresso dos estudantes do 1º ao 5º ano doensino fundamental, hoje foi a vez dos alunos do 6º ao 9º ano. A volta, segundo a direção da escola foi tranquila.

A cena de segunda, 30, se repetiu: cada estudante que chegava era recepcionado com beijos, um caloroso abraço e muita conversa.

A grande expectativa era para o retorno da turma do 8º ano, vitimada pelo atentado cometido por um de seus estudantes.

De cara, os alunos se depararam com uma mudança significativa: o recinto que foi palco da tragédia que ceifou a vida de João Pedro Calembro e João Vitor Gomes, de 13 anos, ganhou nova função.

"Será um espaço de artes, de estímulo à criatividade, de trabalho com esses alunos", explica Luciano Rizzo, diretor e proprietário.

Também nesta segunda-feira, 31, a mãe do garoto que atirou contra os colegas prestou depoimento na Delegacia de Apuração de Atos Infracionais (Depai), acompanhado do marido.

Ambos são policiais militares. Muito abalada, a mulher chorou muito ao falar com a polícia e não quis conversar com jornalistas nem na chegada, nem na saída.

A única a se manifestar foi a advogada de defesa, Rosângela Magalhães, que deu alguns detalhes do depoimento. "Não houve negligência.

A arma estava bem acondicionada e sem munição, que estava trancada em outro local". A mãe do jovem também afirmou que o filho nunca havia se queixado de bullying e que seu comportamento não despertava suspeitas.

A polícia também não deu mais informações sobre o depoimento, pois caso corre em segredo de Justiça, dado o envolvimento de menores.

O atirador adolescente segue internado em uma unidade para jovens infratores de Goiás. Duas estudantes seguem internadas no Hospital de Urgências de Goiânia (HUGO).