Duas crianças abaixo de 5 anos morrem por dia em decorrência de covid no Brasil

Região Nordeste apresenta maior parte das mortes nessa faixa etária, com 43,9%
A região Nordeste do país apresenta a maior parte das mortes nessa faixa etária (Luis Alvarez/Getty Images)
A região Nordeste do país apresenta a maior parte das mortes nessa faixa etária (Luis Alvarez/Getty Images)
A
Agência O Globo

Publicado em 28/06/2022 às 10:20.

Última atualização em 28/06/2022 às 12:28.

O Brasil tem registrado, em média, duas mortes de crianças menores de 5 anos por COVID-19 a cada dia desde o início da pandemia. Os números são do instituto Observa Infância, ligado ao Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict/Fiocruz). Em 2020 e 2021, foram 1439 óbitos no grupo, sendo 48% dos casos eram de crianças com mais de 29 dias e menos de 1 ano completo. Somente neste ano, foram ao menos outras 291 mortes abaixo dos 5 anos até o último dia 11.

Região nordeste apresenta maior parte das mortes

A Região Nordeste do país apresenta a maior parte das mortes nessa faixa etária, com 43,9% do total, mesmo tendo apenas um terço da população analisada. Na sequência, aparece a Região Sudeste, com 24,5% dos óbitos, seguida pelas regiões Norte (18,1%), Centro-Oeste (6,1%) e o Sul (7,3%).

Duas mortes de crianças por COVID-19 por dia

"Bebês nessa faixa etária respondem por quase metade dos óbitos registrados entre crianças menores de 5 anos. É preciso celeridade para levar a proteção das vacinas a bebês e crianças, especialmente de 6 meses a 3 anos. A cada dia que passamos sem vacina contra covid-19 para menores de 5 anos, o Brasil perde duas crianças”, aponta a epidemiologista e professora da Faculdade de Medicina de Petrópolis (Unifase/FMP) Patricia Boccolini.

Cristiano Boccoli, outro autor do levantamento, explica que os dados são de óbitos infantis em que a covid-19 foi registrada como causa principal e aos que a doença foi uma das causas da morte, quando a infecção acentuou um fator de risco ou esteve associada à causa principal de óbito.

"Covid-19 agravou um quadro preexistente"

“Na análise do Observa Infância, consideramos também as mortes em que a covid-19 agravou um quadro preexistente. Quer dizer, embora nem todas essas crianças tenham morrido de covid-19, todas morreram com covid-19”, explicou.