"Doria nunca foi adversário", diz Tebet sobre desistência do ex-governador

Após pressão do PSDB, o ex-governador de São Paulo João Doria desistiu de concorrer à Presidência da República
Simone Tebet: senadora foi indicada informalmente como pré-candidata à Presidência pelo MDB, PSDB e Cidadania (Jefferson Rudy/Agência Senado/Flickr)
Simone Tebet: senadora foi indicada informalmente como pré-candidata à Presidência pelo MDB, PSDB e Cidadania (Jefferson Rudy/Agência Senado/Flickr)
Por Gilson Garrett JrPublicado em 23/05/2022 13:08 | Última atualização em 23/05/2022 13:21Tempo de Leitura: 3 min de leitura

A pré-candidata à Presidência da República pelo MDB, Simone Tebet, se pronunciou nesta segunda-feira, 23, sobre a desistência do ex-governador de São Paulo, João Doria (PSDB), de disputar a corrida presidencial. "Doria nunca foi adversário. Sempre foi aliado. Sua contribuição com a luta pela vacina jamais será esquecida", disse Tebet em uma nota enviada à imprensa.

A senadora pelo Mato Grosso do Sul disse que gostaria de ter o PSDB e o Cidadania (que formaram uma federação) juntos com o MDB nas eleições de 2022, formando o grupo da terceira via. "Vamos conversar e receber suas sugestões para nosso programa de governo. O Brasil é maior do que qualquer projeto individual", afirmou.

Doria decidiu pela desistência após pressão do PSDB para que ele fizesse isso de forma espontânea. A situação ficou mais complicada na semana passada quando MDB, PSDB e Cidadania indicaram, de forma ainda não definitiva, que a senadora Simone Tebet (MDB) será a cabeça de chapa dos três partidos na disputa ao Palácio do Planalto, representando a terceira via. A decisão só sai na terça-feira, dia 24 de maio, quando a Executiva das três legendas deve aprovar o nome dela.

LEIA TAMBÉM

Com o movimento, o ex-governador de São Paulo, João Doria, ficou ainda mais isolado, dentro do seu partido, e também fora dele. Doria ameaçou recorrer à Justiça para que as tumultuadas prévias do partido, realizadas no fim do ano passado, sejam respeitadas e que ele seja o candidato tucano. Aliados do ex-governador disseram, na semana passada, que não aceitariam a indicação de Tebet.

Nos bastidores, a questão apontada pelos presidentes dos partidos de terceira via para a escolha de Tebet é a taxa de rejeição. A pesquisa eleitoral EXAME/IDEIA do dia 19 de maio perguntou a opinião dos eleitores sobre quais candidatos eles não votariam de jeito nenhum. Doria tem 28% de rejeição, enquanto a senadora por Mato Grosso do Sul aparece com 8%. O pré-candidato com maior rejeição é o presidente Jair Bolsonaro (PL), com 43%, seguido do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), com 40%.

A sondagem ouviu 1.500 pessoas entre os dias 14 e 19 de maio. As entrevistas foram feitas por telefone, com ligações tanto para fixos residenciais quanto para celulares. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral com o número BR-01734/2022. A EXAME/IDEIA é um projeto que une EXAME e o IDEIA, instituto de pesquisa especializado em opinião pública. Leia o relatório completo.

LEIA TAMBÉM