Doria já admite disputar reeleição em SP, em vez de campanha ao Planalto

O PSDB marcou prévias referentes à disputa presidencial para outubro, um ano antes das eleições

Antes refratário à ideia de disputar a reeleição em São Paulo, o governador João Doria (PSDB) admite agora abrir mão do projeto presidencial para concorrer a mais um mandato no comando do Estado em 2022. Em recente conversa com o Estadão, Doria foi questionado se mantinha a determinação de não concorrer a mais quatro anos no Palácio dos Bandeirantes. "Diante deste novo quadro da política brasileira, nada deve ser descartado", respondeu o governador. É a primeira vez que o tucano admite a hipótese claramente.

O governador costumava enfatizar que, por princípio, era contra a reeleição. Também em entrevista ao Estadão, em novembro de 2020, ele afirmou de forma contundente que não disputaria um novo mandato. O cenário mudou muito entre as duas declarações.

No fato mais recente, a anulação das condenações impostas ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na Lava Jato - que restabeleceu seus direitos políticos - projeta uma polarização entre ele e o presidente Jair Bolsonaro em 2022, o que tende a estreitar o espaço para candidaturas.

O otimismo que reinava no Palácio dos Bandeirantes em janeiro, quando foi aplicada a primeira vacina do Brasil em São Paulo, deu lugar à preocupação com o desgaste político causado pela adoção de medidas mais restritivas para combater a pandemia do coronavírus. Nas mais recentes pesquisas sobre o cenário eleitoral de 2022, Doria aparece em desvantagem em relação aos mais cotados para chegar a um eventual segundo turno.

O PSDB marcou prévias referentes à disputa presidencial para outubro, um ano antes das eleições. Doria tem afirmado que acredita que legenda pode até apoiar um outro candidato em 2022 - além do paulista, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite é também cotado como potencial candidato tucano.

No plano estadual, as prévias ocorrerão um mês antes. O diretório paulista do PSDB se reunirá na semana que vem para deflagrar o processo no Estado, mas a ideia, segundo dirigentes tucanos, é que uma resolução garanta que se o governador optar pela reeleição tenha a vaga assegurada e não precise se submeter a uma disputa interna.

Apesar da garantia que vai receber do PSDB estadual caso decida concorrer a um novo mandato, Doria não abandonou seu projeto nacional. Nas conversas reservadas costuma lembrar que venceu nas únicas vezes que o partido recorreu às prévias: em 2016 na capital paulista, e em 2018 para o governo.

No PSDB paulista, porém, o debate sobre a alternativa reeleição já está estabelecido e divide aliados de Doria. Prefeitos do interior e litoral pressionam o governador para que fique em São Paulo, enquanto dirigentes da sigla pregam que não abandone o projeto presidencial.

"Esse momento de pandemia exige mais tempo de trabalho. A manutenção do mandato do governador Doria e de sua equipe é fundamental para a recuperação do Estado", disse Marco Aurélio Gomes, prefeito tucano de Itanhaém. "Tenho certeza que Doria é o melhor candidato à Presidência para reconduzir o Brasil para o desenvolvimento", rebateu o presidente do PSDB-SP, Marco Vinholi que também é secretário de Desenvolvimento Regional.

Rodrigo Garcia

Questionado a respeito da reunião dos tucanos sobre prévias na semana que vem, Vinholi disse que o objetivo é sacramentar que o PSDB vai ter candidatura própria ao Palácio dos Bandeirantes, o que inviabiliza o apoio do partido a uma eventual candidatura do vice, Rodrigo Garcia, que hoje está no DEM. Se Doria optar pela disputa presidencial, terá que deixar o governo em abril, abrindo caminho para Garcia.

"As portas do PSDB estão abertas para o Rodrigo Garcia", disse Vinholi. Neste cenário, o vice deixaria o DEM, teria a garantia de concorrer à reeleição e montaria um palanque sólido e unificado para Doria em São Paulo. Em 2018, o então governador Geraldo Alckmin não conseguiu levar o PSDB a apoiar seu vice, Márcio França (PSB), e viu sua base dividida no Estado.

A fila de nomes colocados pelo PSDB para disputar as prévias em São Paulo é puxada pelo ex-governador Geraldo Alckmin. Também estão na lista o próprio Vinholi, o presidente da Assembleia, Cauê Macris, e o prefeito de São Bernardo, Orlando Morando. Essa disputa, porém, depende das decisões de Doria e Garcia. "Tenho convicção que o Rodrigo Garcia vai anunciar a filiação dele ao PSDB no máximo até abril", disse Morando. Procurado, Garcia não se manifestou. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.